Philobiblon (sm)(tm)

Back to Search     Back to Results


ID no. of Person BITAGAP bioid 15561
Name “Infante Santo D. Fernando”, Taumaturgo
no ataúde do Infante Santo D. Fernando (Texid 2009)
Sex M
Title Taumaturgo
Milestones Óbito Fez 1443-06-05
Institutional Affiliation Mestre Ordem de Avis
Other Associations with Works texid 20329 Milagre da mulher do oleiro em Pernes, que ficou sã do lobinho [SISDF 8], miraculado/a em: 1443-06-05 a quo
texid 20328 Milagre da visão do Infante D. Fernando que tinha o elche de Olivença [SISDF 3], miraculado/a em: 1443-06-05 a quo
texid 20334 Milagre do bom homem doente de Lisboa que se achou são [SISDF 7], miraculado/a em: 1443-06-05 a quo
texid 20333 Milagre do clérigo em passo de morte que se levantou são dentro duma hora [SISDF 6], miraculado/a em: 1443-06-05 a quo
texid 20327 Milagre do lume em redor do ataúde do Infante D. Fernando [SISDF 2], miraculado/a em: 1443-06-05
texid 20330 Milagre do trigo que Brites Eanes distribuiu aos pobres [SISDF 9], miraculado/a em: 1443 a quo
texid 20332 Milagre dos animais e pessoas doentes curados pela terra em que caiu o pingo do corpo do Infante D. Fernando [SISDF 5], miraculado/a em: 1443-06-05 a quo
texid 10351 Pedro, 1o Duque de Coimbra, Carta para D. Afonso, Conde de Barcelos, sobre tentativas de livramento do Infante D. Fernando, compilado/a 1440-04-01
References (most recent first) Oliveira (2019-20), “O Infante D. Fernando: Príncipe e Santo na História e na Arte”, Mátria Digital 651-52
Michelan (2016), “A escrita de um feito inglório: o cerco português a Tânger, em 1437”, História e Cultura: Dossiê Os primeiros passos dos escritos em línguas vernáculas na Idade Média 5:170, 178-85
Pacheco (2016), “O retrato do Infante D. Fernando nas Janelas Verdes (M.N.A.A.)”, Art is On 3:81-87
Silva (2014), “D. Duarte e os irmãos - uma educação anglo-normanda?”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade passim
Bertoli (2013), “Guerra, legitimação e Poder no norte da África. As fontes portuguesas”, Roda da Fortuna. Actas del I Congreso Internacional de Jóvenes Medievalistas Ciudad de Cáceres: Poder y violencia durante la Edad Media Peninsular (Siglos XIV y XV). Cáceres de 11 al 13 de diciembre de 2012 2:345-46
Mascarenhas (2013), “Um estudo temático comparativo entre a sacralidade do Infante Santo, d. Fernando, e o messianismo de d. Sebastião”, Revista Electrónica Discente História 1:1-8
Michelan (2013), “Ceuta, para além da Terra dos Mouros. A fabricação histórica de um marco do império portugueês (século XV e início do XVI)”, 60, 63, 90, 100, 108, 113-21, 125, 161-62, 165, 188, 208
Nascimento (2013), “O combate em nome da fé nos relatos hagiográficos”, Revista Crítica Histórica passim
Mascarenhas (2013), “Um estudo temático comparativo entre a sacralidade do Infante Santo, d. Fernando, e o messianismo de d. Sebastião”, Revista Electrónica Discente História 1:passim
Nunes (2012), “O culto das relíquias nas ordens militares em Portugal”, As Ordens Militares: Freires, Guerreiros, Cavaleiros. Actas do VI Encontro sobre Ordens Militares 1:225-26, 236-37
Rebelo (2012), “D. Henrique e D. Fernando - duas perspectivas cristãs do cavaleiro de Avis”, De Cavaleiros e Cavalarias 135-43
Michelan (2011-07), A África muçulmana e a África negra no imaginário português do século XV e início do XVI 1, 3-4
Nascimento (2011-07), O Martírio do Infante Santo e a Expansão Portuguesa (Século XV) passim
Amaral (2011), “A imagem como um poder: estudo sobre a iconografia do Infante D. Fernando de Portugal”, Aedos 3:passim
Ramos (2010), “Os Membros da Geração de Avis: amizades, inimizades e falta de exemplaridade”, Symbolon II: Inveja e Emulação 83-94, 96-97, 105, 108
Amaral (2009), “As discussões historiográficas em torno do Infante Santo”, Medievalista online 7
Amaral (2008), “O culto ao Infante Santo e o projeto político de Avis (1438-1481)”, 34-47. 55-57
Costa (2008), Militarium Ordinum Analecta, n. 10. História das Ínclitas Cavalarias e Cristo, Santiago e Avis por Fr. Jerónimo Román 256-58
França (2007), “A história portuguesa medieval: preservação, ordenação e esquecimento”, Varia Historia 23:497
Rosa (2007), “Von Heiligen Grafen zum Morisken-Märtyrer: Funktionen der Sakralität im Kontext der nordafrikenischen Krieg (1415-1521) - Do 'santo conde' ao mourisco mártir: usos da santidade no contexto da guerra norte-africana (1415-1521) [em alemão]”, Novos mundos - Neue Welten: Portugal und das Zeitalter der Entdeckungen: Eine Ausstellung des Deutschen Historischen Museums Berlin in Zusammenarbeit mit dem Instituto Camões, Lissabon und der Botschaft von Portugal in Berlin [24 Oktober bis 10 Februar 2008]
Marques (2006), “Os Santos dos Caminhos Portugueses”, Revista da Faculdade de Letra - História. 3.a série 7:248, 259
Rebelo (2006), “O verdadeiro carácter de D. Fernando, o Infante Santo”, Humanitas 58:199-227
Amaral (2004), “A construção de um Infante Santo em Portugal: (1438-1481)”,
Rebelo (2003), A vida do Infante Santo passim
Rebelo (2001), “Martyrium et Gesta Infantis Domini Fernandi. Edição crítica. Tradução. Estudo Filológico”, 835-37
Farinha (1999), Os Portugueses em Marrocos 8, 19-20, 27, 33, 51, 58, 63, 69
Vasconcelos (1996), “Os Santos das Ordens Millitares no Agiologio Lusitano de Jorge Cardoso”, Via Spiritus 3:71, 74-77
São Boaventura (1958), Summario da Vida, Acçoens e Gloriosa Morte do Senhor D. Fernando Chamado o Infante Santo passim
Santos (1927), “O Infante Santo e a possibilidade do seu culto canónico”, Brotéria 4:passim
Jordão [Visconde de Paiva Manso] (1872), Historia Ecclesiastica Ultramarina. Tomo I. Africa Septentrional. Bispados de Ceuta, Tanger, Safim e Marrocos X-XI, XIII, 14, 19, 27
São Boaventura (1836), Summario da Vida, Acçoens e Gloriosa Morte do Senhor D. Fernando Chamado assim dentro como fóra de Portugal o Infante Santo passim
Román (1595), Historia de los dos religiosos Infantes de Portugal 1r-115r
Fontes (1999), “Percursos e Memória: Do Infante D. Fernando ao ‘Infante Santo'”,
Moreno (1997), “O Infante Dom Fernando, Mestre da Ordem de Santiago”, As Ordens Militares em Portugal e no Sul da Europa. Actas do II Encontro sobre Ordens Militares 325-43
Braga (1994), “O mito do "Infante Santo"”, Ler História 25:passim
Braga (1992), “Portugal e o cativério do infante D. Fernando (1437-1443)”, al-Qantara 13:47-61
Nascimento et al. (1992), Leonor de Portugal, Imperatriz da Alemanha: Diário de viagem do Embaixador Nicolau Lanckman de Valckenstein 37, 39, 59, 61
Serrão (1977), Cronistas do século XV posteriores a Fernão Lopes 14, 43-46, 62-63
Martins (1969), “Prantos na Crónica do Infante Santo e na Tragédia do Condestável D. Pedro”, Introdução Histórica à Vidência do Tempo e da Morte 1:93-96
Willard (1967), “Isabel of Portugal, Patroness of Humanism?”, Miscellanea di studi e ricerche sul Quattrocento francese 532
Machado (1965-67), Bibliotheca lusitana historica, critica e cronologica 2:9-11
Calado (1962), “O Infante D. Fernando e a restituição de Ceuta”, Revista Portuguesa de História 10:passim
Zúquete (1960-61), Nobreza de Portugal 1:298-303
Calado (1957), “Subsídios para a bibliografia do Infante Santo”, Arquivo de Bibliografia Portuguesa
Santos (1956), “A última carta do Infante Santo e a falência do seu resgate”, Anais da Academia Portuguesa da História. 2.a série
Ricard (1947), “Les lectures spirituelles de l'Infant Ferninand de Portugal (1437)”, Revue du Moyen-Age Latin 3:passim
Santos (1931), “D. Duarte e as responsabilidades de Tânger 1436-1438”, Brotéria 12:passim
Santos (1930), “O Infante Santo e a Cúria Pontifícia”, Brotéria 10:passim
Lopes (1926), “A propósito do Infante Santo em Fez”, Biblos 2:50-51
Antonio et al. (1788), Bibliotheca Hispana Vetus 2:243 , n. 295
Álvares et al. (1730), Chronica dos feytos vida e morte do Infante santo D. Fernando que morreo em Fez. Revista e Reformada passim
Silva (1730-34), Memorias para a Historia de Portugal que comprehendem o governo delRey D. João I do anno de mil e trezentos e oitenta e tres até o anno de mil quatrocentos e trinta e tres 1:481-515
Rebelo (2001-2002), “Sob o signo do VI Centenário do Nascimento do Infante Santo (1402-2002)”, Lusitania Sacra 2a série 13-14:passim
Rosa (2001-2002), “A santidade no Portugal medieval: narrativas e trajectos de vida”, Lusitania Sacra. 2.a série 438-40
Rosa (2007 a quo), Do ‘santo conde' ao mourisco mártir: usos da santidade no contexto da guerra norte-africana (1415-1521) 2, 6-9, 11
Monteiro (2010-09), “Da Música no ámbito da Corte na Dinastia de Avis”, Diálogo e Comunicação Intercultural. A Educação com as Artes 234-37
Rangel (2010 a quo), A análise do conceito de martírio nas obras de Jacopo Varrazze e do Frei João Álvares passim
Record Status Created 2016-08-26
Updated 2021-06-16