Philobiblon (sm)(tm)

Back to Search     Back to Results


ID no. of Person BITAGAP bioid 1208
Name Fernão da Silveira o Regedor, coudel-mor [1454 - 1493]
Sex M
Title coudel-mor 1454 - 1493
Milestones Óbito Évora 1493
Associated Persons filho de: Nuno Martins da Silveira, alcaide da vila de Terena
filho de: Leonor Gonçalves de Abreu, mulher de Nuno Martins da Silveira, alcaide da vila de Terena
pai de: Jorge da Silveira (Óbito 1523)
pai de: Francisco da Silveira, coudel-mor [1493-05-17]
irmão de: Vasco da Silveira, filho de Nuno Martins da Silveira, alcaide da vila de Terena
irmão de: Gonçalo da Silveira, criado de Duarte, 11. Rei de Portugal (1437 ca.)
irmão de: Diogo da Silveira, 2o Senhor de Terena
senhor de: Rui Teixeira, Escrivão dos feitos das sisas em Aldeia Galega da Merceana [1491-02-18] (1491 ca.)
*escudeiro: Pedro de Pego, alcaide das sacas em Castelo Branco
do Conselho de: João II (D.) o Príncipe Perfeito, 13. Rei de Portugal [1481 - 1495] (1486 ca.)
*escudeiro: Pero do Rego, alcaide das sacas em Castelo Branco [1487-04-05]
*escudeiro: Rui Teixeira, Escrivão dos feitos das sisas em Aldeia Galega da Merceana [1491-02-18] (1491 ca.)
*escudeiro: Álvaro Mealhas, coudel em Moura [1482-12-09 antes de] (1482 ca.)
Institutional Affiliation Regedor Lisboa: Casa da Suplicação (1491 antes de)
Author of texid 1666 Fernão da Silveira, coudel-mor, “A mim rei de negro estar Serra Leoa [D 44]”, escrito/a 1490 ?
texid 2654 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Aqui jaz quem sempre jaz [D 587 -12]” (tr. Guterre Coutinho, comendador de Sesimbra), escrito/a 1481-08-22 depois de
texid 2644 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Barguilha de falso peito [D 587 -02]” (tr. Guterre Coutinho, comendador de Sesimbra), escrito/a 1481-08-22 depois de
texid 2213 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Bocejar sobre enfadado [D 1 -080]” (tr. João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2641 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Com estes tratos de amor [D 586 -05]”
texid 2244 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Com todo o agravo que sento [D 1 -111]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2195 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Cuidando remediar-me [D 1 -062]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2218 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Cuidar ter em que cuidar [D 1 -085]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2210 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Dar suspiros por descanso [D 1 -077]” (tr. João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1677 Fernão da Silveira, coudel-mor, “De Abril aos onze dias [D 55]”, escrito/a 1458-04-11
texid 1665 Fernão da Silveira, coudel-mor, “De quinos trezenos bissete o ano [D 43]”, escrito/a 1479
texid 2161 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Do cuidar que dá cuidado [D 1 -028]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2221 Fernão da Silveira, coudel-mor, “E daqui quem esguardasse [D 1 -088]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 6212 Fernão da Silveira, coudel-mor, “E vós que de trobador [D 1 -025]” (tr. João Gomes da Ilha), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 6211 Fernão da Silveira, coudel-mor, “E vós senhor Dom João [D 1 -024]” (tr. João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1830 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Em caso tão perigoso [D 217 -02]” (tr. Fernão da Silveira)
texid 1653 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Em trabalho somos cá [D 32]”, escrito/a 1491-07-12
texid 2217 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Falsilhos pontos não são [D 1 -084]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2208 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Foi graça notai-a bem [D 1 -075]” (tr. Nuno Pereira, alcaide-mor da vila de Vidigueira), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2232 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Há tanto que sou metido [D 1 -099]” (tr. Leonor da Silva…), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2162 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Honrado tabelião [D 1 -029]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2872 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Mais prazer que uma toura [D 605]”
texid 2699 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Mais que francelha [D 590 -04]”
texid 2710 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Mandai-a guardar mui bem [D 594 -04]”
texid 1655 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Micer galante Cabral [D 34]”
texid 2230 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Não dê vossa senhoria [D 1 -097]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1671 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Não levais boa maneira [D 48]”
texid 1796 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Não me és tu coração [D 179 -03]”
texid 1648 Fernão da Silveira, coudel-mor, “No mês de Janeiro [D 28]”, escrito/a 1477-04 ca.
texid 2804 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Nós outros a civil gente [D 598 -01]” (tr. Nuno Pereira, alcaide-mor da vila de Vidigueira), escrito/a 1481 antes de
texid 2648 Fernão da Silveira, coudel-mor, “O fidalgo de linhagem [D 585 -06]” (tr. Guterre Coutinho, comendador de Sesimbra), escrito/a 1481-08-22 depois de
texid 2234 Fernão da Silveira, coudel-mor, “O primeiro está provado [D 1 -101]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2174 Fernão da Silveira, coudel-mor, “O que vos senhora digo [D 1 -041]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1589 Fernão da Silveira, coudel-mor, “O vosso gentil saber [D 213 -02]” (tr. Jorge de Aguiar, alcaide-mor de Zagala)
texid 2224 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Onde cuidar desbarata [D 1 -091]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2191 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Os da lide contestada [D 1 -058]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2871 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Ouvi de todos mandado [D 604 -04]”
texid 1674 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Para as lanças que mandais [D 52]”
texid 2209 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Para que é mais testemunha [D 1 -076]” (tr. Nuno Pereira, alcaide-mor da vila de Vidigueira), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1651 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pelas praças de Lisboa [D 30]”
texid 1673 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois lá foi tão grande riso [D 50]”
texid 1669 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois me chegastes ao coiro [D 46]”, escrito/a 1456-02 ca.
texid 2156 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois me convém que procure [D 1 -023]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2868 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois medistes assim crua [D 604 -01]”
texid 1670 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois não vejo quem me ampare [D 47]”
texid 1799 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois pena tão desigual [D 180 -03]”
texid 2173 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois quisestes replicar [D 1 -040]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1664 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois se foram descobrir [D 42]”
texid 2220 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois se vosso coração [D 1 -087]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2216 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois venhamos apertar [D 1 -083]” (tr. João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1652 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois vos tacham de cortês [D 31]”
texid 2160 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pois vossa grã formosura [D 1 -027]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1668 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Por cumprir minha promessa [D 45 -02]”
texid 2175 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Por meu triste padecer [D 1 -042]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1661 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Pôr por vós mui de verdade [D 39]” (tr. Guterre Coutinho, comendador de Sesimbra)
texid 1662 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Por serdes melhor servida [D 40]”
texid 1675 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Porque meu mal se aí dobrasse [D 53]”
texid 2215 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Que chameis por ser primeiro [D 1 -082]” (tr. João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1678 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Que de tal troca se siga [D 56]”
texid 2194 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Que digais que deite a longe [D 1 -061]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1676 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Que em trajos de donzela [D 54]”
texid 1657 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Quem bem sabe em tudo sabe [D 37 -01]” (tr. Álvaro Barreto)
texid 1707 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Quem mais perde por servir [D 83 -02]” (tr. Álvaro de Brito Pestana)
texid 2570 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Quem puder tanto consigo [D 581 -04]”
texid 1779 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Quem sabe ser namorado [D 166 -02]” (tr. Diogo de Pedrosa)
texid 1650 Fernão da Silveira, coudel-mor, “São Marcos fez-se primaz [D 29]”, escrito/a 1485
texid 2219 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Se assim é por ressurgir [D 1 -086]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1656 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhor grande cuja fama [D 35]”
texid 1672 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhora cunhada minha [D 49]”
texid 1667 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhora graciosa discreta excelente [D 45 -01]” (tr. Isabel de Castela, Rainha de Portugal)
texid 2166 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhora grande senhora [D 1 -033]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2223 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhora não se dilate [D 1 -090]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2235 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhora querei prover [D 1 -102]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2188 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Senhora valha-me Deus [D 1 -055]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1844 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Servir-vos não leixaria [D 226 -01]”
texid 1663 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Sessenta brancos na palma [D 41]” (tr. Rui de Sousa, Senhor de Sagres)
texid 2214 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Suspirar por figos peras [D 1 -081]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2189 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Suspiros não podem ser [D 1 -056]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2212 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Suspiros por fingidores [D 1 -079]” (tr. Jorge de Aguiar, alcaide-mor de Zagala), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2211 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Suspiros serem conforto [D 1 -078]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2182 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Tendo já meu razoado [D 1 -049]” (tr. Leonor da Silva), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 1660 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Três coisas queria nuas [D 38 -02]” (tr. Álvaro, Conde)
texid 2642 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Uma mui estranha coisa [D 586 -06]”
texid 1654 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vai cá tempo tão contrário [D 33]” (tr. João Afonso de Aveiro), escrito/a 1484-08-14 depois de
texid 2389 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Visto quanto aventuro [D 570 -02]”
texid 6213 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vós cunhado que alegastes [D 1 -026]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2165 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vossas coplas receando [D 1 -032]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2222 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vossas tais alegações [D 1 -089]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2229 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vossas últimas razões [D 1 -096]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2207 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vosso alto procurar [D 1 -074]” (tr. João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2193 Fernão da Silveira, coudel-mor, “Vosso subido trovar [D 1 -060]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2705 Rodrigo de Castro… “Pelas vossas alcaladas [D 593 -01]” (tr. João Gomes da Ilha)
Other Associations with Works texid 10627 Afonso, Escritura de juramento e confirmação do seu matrimónio com a Infanta D. Isabel, por palavras de presente de Fernão da Silveira, 1490-04-18, escrito/a 1490-04-26
texid 21442 Afonso V, 12. Rei de Portugal, Carta de ofício de coudel-mor a Fernão da Silveira, escrito/a 1454-06-15
texid 21443 Afonso V, 12. Rei de Portugal, Carta sobre as provisões do Coudel-mor [confirmando anteriores documentos], escrito/a 1469-04-29
texid 9051 Afonso V, 12. Rei de Portugal, Lei sobre os foros e emolumentos do Coudel-mor, escrito/a 1460-12-02
texid 1658 Álvaro Barreto, “De me atrever que vos gabe [D 37 -02]” (tr. Fernão da Silveira, coudel-mor)
texid 25412 Beatriz, 1a Duquesa de Viseu, Instrumento de como a Infanta D. Beatriz, estando presente Rodrigo Maldonado, procurador e embaixador dos Reis Católicos, havendo-se por desnaturada do Rei e Príncipe de Portugal para receber as fortalezas do Alandroal e Veiros, obrigadas na obrigação [primeira] do príncipe D. João, deu-se por entregue das ditas fortalezas e jurou e fez preito e menagem, nas mãos de D. Fernando Courtinho, marechal, de as ter e entregar aos Reis Católicos, aos termos contidos na dita obrigação, escrito/a 1479-09-10
texid 10457 Colectivo… Minuta do conselho, em Santarém, sobre se as mulheres dos traidores, fugidos em Castela, podiam se partir para aquele reino e memória das determinações, escrito/a 1487
texid 1778 Diogo de Pedrosa, “Posto que tenha jurado [D 166 -01]” (tr. Fernão da Silveira, coudel-mor)
texid 1829 Fernão da Silveira, “Manda-me que a não queira [D 217 -01]” (tr. Fernão da Silveira, coudel-mor)
texid 2153 Francisco da Silveira, coudel-mor, “Por cessar esta conquista [D 1 -021]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2168 João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor, “Se por alegar cantiga [D 1 -035]” (tr. Fernão da Silveira, coudel-mor), escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2200 João de Meneses [Cantanhede], capitão de Azamor, “Vós senhor a quem não sabem [D 1 -067]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2706 João Gomes da Ilha, “Pois vos parecem erradas [D 593 -02]” (tr. Rodrigo de Castro…)
texid 2192 João Gomes da Ilha, “Senhor Coudel-mor cuidais [D 1 -059]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 25454 João II, 13. Rei de Portugal, Carta dando Brás Gonçalves, escudeiro e criado do conde de Vila Real, por escrivão da Alcaidaria das Sacas, em as vilas de Castelo Branco, do Rosmaninhal e das Sarzedas e dos outros lugares e seus termos de que é Alcaide das Sacas Pedro do Pego, escudeiro de Fernão da Silveira, regedor da Casa da Suplicação, escrito/a 1487-05-30
texid 33112 João II, 13. Rei de Portugal, Carta dando novamente Álvaro Mealhas, escudeiro de Fernão Silveira (coudel-mor) por coudel na vila de Moura, pela guisa que o foi nos 3 anos passados, escrito/a 1482-12-09
texid 28213 João II, 13. Rei de Portugal, Carta dando Pero do Rego, escudeiro de Fernão da Silveira (coudel-mor), por alcaide das sacas nas vilas de Castelo Branco, Rosmaninhal, Salvaterra e Segura e seus termos, estando vagos os ditos ofícios, escrito/a 1487-04-05
texid 24997 João II, 13. Rei de Portugal, Carta dando Rui Teixeira, escudeiro de Fernão da Silveira, coudel-mor e regedor da Casa da Suplicação, por escrivão dos feitos das sisas em Aldeia Galega da Merceana, escrito/a 1491-02-18
texid 21444 João II, 13. Rei de Portugal, Carta de doação de terras a Fernão da Silveira [Sarzedas e Sobreira Formosa], escrito/a 1486-11-22
texid 10464 João II, 13. Rei de Portugal… Carta para D. Diogo, Duque de Viseu, sobre as insígnias que deve usar, estando em Castela, com comentário sobre as determinações do Conselho no caso, escrito/a 1481-02 ca.
texid 1588 Jorge de Aguiar, alcaide-mor de Zagala, “A vós sob cujo poder [D 213 -01]” (tr. Fernão da Silveira, coudel-mor)
texid 17168 Luís Godinho, Certidão do auto de desnaturamento, juramento, preito e menagem para guardar as terçarias dos Infantes no castelo de Moura feito por D. Rodrigo de Castro, alcaide da Covilhã nas mãos de Fernão da Silveira, coudel-mor, escrito/a 1481-01-08
texid 17170 Luís Godinho, Certidão do auto de desnaturamento, juramento, preito e menagem para guardar as terçarias dos Infantes no castelo de Moura feito por Duarte Furtado de Mendonça, alcaide-mor das terçarias, nas mãos de Fernão da Silveira, coudel-mor, escrito/a 1481-01-02
texid 17169 Luís Godinho, Certidão do auto de desnaturamento, juramento, preito e menagem para guardar as terçarias dos Infantes no castelo de Moura feito por Fernão de Sousa, alcaide de Sacavém nas mãos de Fernão da Silveira, coudel-mor, escrito/a 1481-01-15
texid 17171 Luís Godinho, Certidão dos autos de desnaturamento, juramento, preito e menagem para guardar as terçarias dos Infantes no castelo de Moura feitos por Artur de Brito, alcaide de Beja, Henrique de Albuquerque, alcaide de Marvão, Rodrigo Afonso de Arcos, alcaide de Tavira, Lopo Chaínho, alcaide da Guarda, João Pereira, alcaide de Celorico da Beira, João Fernandes de Oliveira, alcaide de Castro Marim, Antão Gonçalves, alcaide de Tomar, Rui da Cunha, alcaide de Castelo Novo, Rui Velho, alcaide de Almourol, João da Rosa, alcaide de Penha Garcia e Estêvão Gonçalves, alcaide de Seguna, nas mãos de Fernão da Silveira, coudel-mor, escrito/a 1481-01-01
texid 2247 Nuno Gonçalves, alcaide-mor de Alcobaça, “E foi seu procedimento [D 1 -117]”, escrito/a 1483-11-09 - 1484-07-20
texid 2822 Nuno Pereira, alcaide-mor da vila de Vidigueira, “Por Deus eu me maravilho [D 598 -18]” (tr. Fernão da Silveira, coudel-mor), escrito/a 1481 antes de
texid 2870 Rodrigo de Castro, “Eu disse-lhe tate perra [D 604 -03]”
texid 2869 Rodrigo de Castro, “Mais comprida e mais delgada [D 604 -02]”
References (most recent first) Fernandes (2009), “Fernão da Silveira e um mundo em desconcerto no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende”, Agália
Perea Rodríguez (2006), “Poetas portugueses en el Cancionero general (1511)”, La Península Ibérica entre el Mediterráneo y el Atlántico. Siglos XIII-XV 681-83
Fernandes (2008), “No Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, A criatividade palaciana em Fernão da Silveira”, Labirintos [revista electrónica]
Fernandes (2006), “Fernão da Silveira: poeta e coudel mor paradigma da inovação no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende”,
Fernandes (2005), “Fernão da Silveira: paradigma da criação poética de vanguarda no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende”, Anais do V Encontro Internacional de Estudos Medievais 341-46
Frazão (1998), “Introdução: O Cuidar e Sospirar”, Biblioteca Virtual dos Autores Portugueses [CD-ROM] 2
Lanciani et al. (1993), Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa 270
Resende et al. (1990-2003), Cancioneiro Geral 6:645
Corrêa (1989), “Fernão da Silveira, coudel-mor e cortesão de D. João II”, Actas do Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época 4:65-75
Dias (1966), O Cancioneiro Português do Museu Condé de Chantilly 89-90
Fernandes (Date?), “O poeta e coudel-mor do Cancioneiro Geral Fernão da Silveira. Uma criação poética de vanguarda em pleno medievo português”,
Record Status Created 1989-03-09
Updated 2021-04-29