Philobiblon (sm)(tm)

Back to Search     Back to Results


Work ID number BITAGAP texid 1102
Authors Marcus Tullius Cicero
Titles De Officiis
Livro dos Ofícios
Incipit & Explicits prefácio: Como quer que tu, Marco, meu filho
prólogo: Em determinando, Marco, meu filho
texto: Pois que toda nossa disputação
Date / Place traduzido/a 1430 - 1433 (Calado/Dionísio)
Language Português
Latim (orig.)
Text Type: Prosa
Associated Persons Tradutor(a): Pedro (Infante D.), 1o Duque de Coimbra [1415-09]
Imita a tradução para castelhano de: Alonso de Cartagena, bispo de Burgos [1435-07-06]
Dedicatário/a: Duarte (D.) o Eloquente, 11. Rei de Portugal [1433 - 1438]
Associated Texts Citado/a em: texid 5942 Desconhecido, Inventário da Livraria de D. Duarte, escrito/a 1433 - 1438
References (most recent first) Frade (2020), “Aspetos do condicional no Livro dos Oficios: que valores traduz um tempo inexistente em Latim?”, Ágora. Estudos Clássicos em Debate
Moniz et al. (2019), “O Infante D. Pedro de Avis e o mar”, O Mar como Futuro de Portugal. A propósito da contratação de Manuel Pessanha como Almirante por D. Dinis 184
Shibata (2018), “O surgimento da literatura humanista na Península Ibérica: traduções e apropriações da cultura clássica”, Revista de História e Estudos Culturais 13-15
Coelho (2017), “A questão da autoria na literatura dos Príncipes de Avis”, Omni Tempore: Encontros de Primavera 2016 2:78-84
Frade (2017), “Nótulas sobre a negação no Livro dos Oficios”, Ágora. Estudos Clássicos em Debate 19:293-304
Ferro (2016), “A livraria de D. Duarte (1433-1438) e seus livros em linguagem”, História e Cultura: Dossiê Os primeiros passos dos escritos em línguas vernáculas na Idade Média 5:134-35, 144 , n. 12
Shibata (2016), “Cultura clássica e literatura vernacular no século XV em Castela e Portugal”, História e Cultura: Dossiê Os primeiros passos dos escritos em línguas vernáculas na Idade Média 5:1:121-23
Frade (2015), “A edição de traduções nos primórdios da impressão em Portugal”, Calíope: Presença Clássica 29:145-47
Henriques (2015), “Em que língua pensas? A entrada da língua portuguesa na filosofia”, Revista Filosófica de Coimbra 416 (n. 31), 423-24, 431, 433
Silva (2014), “O regimento do corpo em Portugal no século XV”, 14, 72-73, 121-22, 150
Teodoro (2014), “Do varão casado a um reino virtuoso (Portugal - sécs. XIV-XVI)”, 86, 88, 155
Marques (2013), Alguns Livros da Minha Biblioteca e Outras Histórias 75-76
Teodoro (2012), A escrita do passado entre monges e leigos. Portugal - séculos XIV e XV 63, 103
Frade (2011), “O Futuro com aver de + infinitivo no Livro dos Ofícios”, Ágora. Estudos Clássicos em Debate 13:45-82
Frade (2011), “Teer/aver + particípio passado no Livro dos Ofícios do Infante D. Pedro”, Diacrítica
Frade (2011), “Ser de + Infinitivo na tradução quatrocentista do Livro dos Oficios”,
Soares (2011), “Retórica de corte no Primeiro Humanismo em Portugal”, Máthesis 20:233
França (2010), “Uma escrita do passado centrada nas guerras”, Cadernos de História 11:14:51
Gomes (2010), “As políticas culturais de tradução na corte portuguesa no século XV”, Cahiers d'Études Hispaniques Médiévales 33:173-81
Reis (2009), “Considerações sobre a transmissão de textos latinos em língua vulgar portuguesa nos séculos XV e XVI”, Desassossego 1:8
Nascimento (2006), “Cícero em Portugal: momentos de humanismo cívico”, Atti del XII Colloquium Tullianum 100-01, 103, 105-10, 123
Pinho (2006), “Os príncipes de Avis e o pré-humanismo português”, Humanismo em Portugal 1:35-40
Shibata (2006), “A carta de Bruges e a tradição do conselho aos reis”, Sínteses. Revista dos Cursos de Pós-Graduação 11:496-97
Marques (2004-09-10), “História da Medicina Veterinária”, DRABL - Direcção Regional de Agricultura da Beira Litoral
Nascimento (2004), “Nova idade, nova linguagem: entre afecto e alto desempenho de funções, a palavra no século XV português”, Humanismo para o nosso tempo - Homenagem a Luís de Sousa Rebelo 45
Oliveira (2003), A voz passiva no período arcaico do português e começos do moderno
Nascimento (1999), “Os textos clássicos em período medieval: tradução como alargamento de comunidade cultural”, Raízes greco-latinas da cultura portuguesa - Actas do I Congresso da APEC 62 (n. 89), 65, 67-68
Russell (1985), Traducciones y traductores en la Península Ibérica (1400-1550) 38, 60
Carvalho (1982), “Sobre a sutenticidade dos sermões de Fr. João Xira”, Obra completa Vol. 2, Pt. 2:346
Repertorium fontium historiae Medii Aevi, primum ab Augusto Potthast digestum, nunc cura collegii historicorum e pluribus nationibus emendatum et auctum (1967-2007) 8:547
Menéndez y Pelayo (1902), Bibliografia hispano-latina clásica 1:678-79
Sousa (1735-48), Historia Genealogica da Casa Real Portugueza 2:78
Ferreira et al. (2007), “Luís Afonso Ferreira, [Um artigo inacabado]”, eHumanista [revista virtual] 8:73-105
Dionísio (2005), “Tables of Contents in Portuguese late medieval manuscripts”, Variants 4. (The Book as Artifact. Text and Border) 4:89-109
Hörster et al. (2003-06), “A tradução para português na história da língua e da cultura. Elementos para uma síntese”, Revista Portuguesa de Filologia 25:677
Soares (2002), “O Infante D. Pedro e a cultura portuguesa”, Biblos 78:110
Sabio Pinilla (2001), “El concepto de 'provecho' en los prólogos de las traducciones peninsulares del cuatrocientos”, Literatura y Cristiandad… 677
Dionísio (2000), “D. Duarte, leitor de Cassiano”, 164
Gavilanes Laso (2000), “La prosa profana, didáctica y doctrinal del siglo XV”, Historia de la literatura portuguesa 144-45
Fernández Sánchez et al. (1999), “Tradición clásica y reflexiones sobre la traducción en la corte de Aviz”, Hieronymus Complutensis. El mundo de la traducción 8:61-72
Briesemeister (1998), “Portugiesisch und Lateinisch. Humanismus und Sprachbewusstsein in Portugal im 15. und 16 Jahrhundert”, Lusitanica et Romanica. Festschrift für Dieter Woll 29-40
Sabio Pinilla et al. (1998), O Discurso sobre a Tradução em Portugal. O Proveito, o ensino e a crítica. Antologia (c. 1429-1818) 47
Calado (1995), “A data da tradução do ‘De officiis' pelo Infante D. Pedro”, Revista da Universidade de Aveiro / Letras 12:187-208
Cepeda (1995), Bibliografia da Prosa Medieval em Língua Portuguesa 69-70
Lorenzo (1993), “Livro dos Ofícios de Cícero”, Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa 416-17
Osório (1993), “A prosa do Infante D. Pedro. A propósito do 'Livro dos Ofícios'”, Biblos
Pinho (1993), “O Infante D. Pedro e a 'escola' de tradutores da Corte de Avis”, Biblos
Matos (1993), “O Infante D. Pedro, a versão do De Officiis e outras preocupações ciceronianas no ocidente europeu no século XV”, Biblos
Willis (1992), “Henry the Navigator's Elder Brother”, Portuguese Studies 148
Cardoso (1989), “Livro dos Ofício: breve comentário à tradução”, Actas do Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época 4:503-14
Pedro (Infante D.) (1981), “Livro dos Ofícios”, Obras dos Príncipes de Avis
Willard (1967), “Isabel of Portugal, Patroness of Humanism?”, Miscellanea di studi e ricerche sul Quattrocento francese 528-29
Machado (1965-67), Bibliotheca lusitana historica, critica e cronologica 3:545
Carneiro (1961), “O Infante D. Pedro e o Livro dos Ofícios”,
Martins (1957), Peregrinações e Livros de Milagres na Nossa Idade Média 29
Martins (1951), “Peregrinações e livros de milagres na nossa Idade Média”, Revista Portuguesa de História 5:94
Frade (2010-06-21), Estratégias argumentativas no Livro dos Ofícios: o caso dos verbos 'dicendi'
Frade (2012-11), Scrinium. Traduções Medievais Portuguesas , n. pt. 001
Subject Fundo Geral
Falcoaria - Cetreria
Veterinária - Alveitaria
Number of Witnesses 2
ID no. of Witness 1 cnum 1087
City, library, collection & call number Madrid: Real Academia de la Historia, 9-5487 (BITAGAP manid 1070)
Copied 1433 - 1450
1430 ca. (Cepeda)
Location in witness ff. 146r-228r
Title(s) Marcus Tullius Cicero, Livro dos Ofícios (tr. Pedro, 1o Duque de Coimbra), traduzido/a 1430 - 1433
Incipit & Explicits prefácio: [ 146r] COmo quer que tu marco meu filho ouujndo ja huũ ano em athenas … [ 146v] … dos quaaes cada huũ delectandose no seu estudo despreçou o dos outros.
prólogo: [ 146v] Em determinhando marco meu filho de te screueer agora algũa cousa … [ 147v] … tiramos das suas fontes aquelo que nos mais apraz & mais concorda como o nosso juizo.
texto: [ 147v] POis que toda nossa desputaçom he de sseer do oficio praznos de primeiramente declarar mos que cousa he oficio … [ 228r] … & te amarei mujto mais quando souber que te allegras cõ taaes amoestamentos & mandados como som cõ thuedos em este liuros. DEO GRACIAS.
References Frade (2014), “A modalidade deôntica no Livro dos Oficios e a tradução de alguns adjetivos”, Ágora. Estudos Clássicos em Debate 16:137-56
Pedro (Infante D.) (1981), “Livro dos Ofícios”, Obras dos Príncipes de Avis
Piel (1948), Livro dos Oficios de Marco Tullio Ciceram
Frade (2012-11), Scrinium. Traduções Medievais Portuguesas , n. pt. 001
ID no. of Witness 2 cnum 19264
City, library, collection & call number Paris: Bibliothèque nationale de France [Richelieu], Fonds Portugais, 5 (BITAGAP manid 1154)
Copied 1438 ca.
1433 - 1438
1451 depois de (Dionísio (2007))
1458-05-01 a quo (Ver "Notas" comentário de F.A. Moreira)
Location in witness ff. 62v-63v
Title(s) Marcus Tullius Cicero, Livro dos Ofícios (tr. Pedro, 1o Duque de Coimbra), traduzido/a 1430 - 1433 Extractos, Liv. I, caps. 6, 31-33
Dos speciaaes notados do liuro de tullyo de oficiis que aa prudencya perteecem, 62v
Incipit & Explicits introdução: [ 62v] TUllyo no liuro de oficiis sc̃ue muytas e boas doutrinas sobre a prudencia
texto: [ 62v] a prymeira parte da honestydade he prudencia … [ 63v] … deve lhe seer cõtado por fealdade e por erro.
Associated MSS/editions manid 1070 MS: Madrid: Real Academia de la Historia, 9-5487. 1433 - 1450. Pedro, 1o Duque de Coimbra… Livro da Virtuosa Bemfeitoria, escrito/a 1418 ca. - 1425 ca.
References Piel (1942), Leal Conselheiro o qual fez Dom Eduarte. Edição crítica e anotada xii, 246-50
Frade (2012-11), Scrinium. Traduções Medievais Portuguesas , n. pt. 001
Record Status Created 1988-07-23
Updated 2021-07-25