Philobiblon (sm)(tm)

Back to Search     Back to Results


Work ID number BITAGAP texid 1094
Authors Duarte, 11. Rei de Portugal
Titles Leal Conselheiro
A B C de Lealdade
Date / Place compilado/a 1437 - 1438 (Piel)
Text Type: Prosa
Associated Persons Dedicatário/a: Leonor de Aragão (D.), Rainha de Portugal
Associated Texts texid 13140 Duarte, 11. Rei de Portugal, Leal Conselheiro [Redacção variante], compilado/a 1437 ca.
texid 9456 Duarte, 11. Rei de Portugal, Leal Conselheiro [capítulos avulsos; série], escrito/a 1438 antes de
Assunto/Tema: Os Caps. 3, 5 e 83 aparecem tambêm, com ligerias variantes, em: texid 1095 Duarte, 11. Rei de Portugal, Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda Sela, escrito/a 1433 depois de - 1438
texid 1095 Duarte, 11. Rei de Portugal, Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda Sela, escrito/a 1433 depois de - 1438
References (most recent first) Dionísio et al. (2021), “Um fragmento do Leal Conselheiro, de D. Duarte”, Românica 42 e passim
Dionísio (2021), “Latency, inference, interaction: Notes towards a blurry picture of translation genetics in Portugal”, Genetic Translation Studiies. Conflict and Collaboration in Liminal Spaces 30
Alvarado (2020), “Pão, terra e trabalho na comunidade dos homens (Castela e Portugal dos séculos XIV e XV)”, Confluenze. Rivista di Studi Iberoamericani 350
Bastos (2020), “Medicina, saúde pública e poder em tempos de epidemias (Portugal - séculos XIV-XVI)”, Brathair 161
Carvalho (2020), “Preludes to the Inquisition: self-censhorship in medieval astrological discourse”, Annals of Science 16
Ferreira (2020), “Contributo para o estudo da influência de Séneca em Zurara”, O Mundo Clássico e a Universalidade dos sus Valores. Homenagem a Nair de Nazaré Castro Soares 2:261
Leandro (2020), “A iniciação dos nobres nos valores da corte (Portugal/século XV)”, 38 e passim
Santos (2020), “Memória e sentido: modelos educativos de comportamento na propaganda de conduta moral, doutrinária e disciplinar da casa real avisina”, Anais dos Encontros Internacionais de Estudos Medievais 84 e passim
Teodoro (2020), “Prédicas em torno da conquista e manutenção de Ceuta”, Horizonte 388
Tibúrcio (2020), “A Crónica Geral de Espanha de 1344 entre os séculos XIV e XV: A génese de um scriptorium de corte?”, Juvenes - The Middle Ages seen by young researchers
Nelson (2019), “'Cantar bem': A Ordenança ou Regimento de El-Rei D. Duarte e a prática musical na Capela Real portuguesa no início do século XV”, Escola de Música da Sé de Évora. Conferências. XXI Jornadas Internacionais "Escola de Música da Sé de Évora"
Osório (2019), “Valores sintácticos e semânticos com ser e estar no Leal Conselheiro”, Estudos Linguísticos e Filológicos Oferecidos a Ivo Castro 1085-1102
Sousa (2019), “Entre a doçura da alma e a corrupção da carne: as representações da morte na Dinastia de Avis (Portugal - Século XV)”, 19 e passim
Teodoro (2019), Guias dos Costumes Cristãos. Os primeiros opúsculos pastorais em Língua Portuguesa
Aguiar (2018), Cavaleiros e Cavalaria. Ideologia, práticas e rituais aristocráticos em Portugal nos séculos XIV e XV passim
Alvar et al. (2018), "Confessio Amantis". Literatura moral y materia amorosa en Inglaterra y la Península Ibérica (siglos XIV-XV) 1:83 (n. 17), 87, 90, 93-94
Barros (2018), “A importância das tradições discursivas para a análise da evolução de conectores no português medieval”, A Linguística em Diálogo. Volume Comemorativo dos 40 Anos do Centro de Linguística da Universidade do Porto 128, 131-32
Cardoso (2018), “Quanto dói e o que constrói uma saudade”, Terra Roxa e Outras Terras. Revista de Estudos Litrários 19
França (2018), “Palavras capitais na história dos reis, dos infantes e dos navegadores”, Topoi. Revista de História 19:39
Moreira (2018-19), “Fr. Gil de Tavira e a datação do manuscrito do Leal Conselheiro de D. Duarte”, Mátria Digital 6:121-29
Dzialak-Szubinska (2018), “'Dobry doradca' – pietnastowieczny portugalski traktat dydaktyczny. O poradach zywieniowych króla Edwarda”, Res Rhetorica 80-95
Oliveira (2018), “O Leal Conselheiro de D. Duarte: propostas analíticas”, Anais do Encontro Internacional e XVIII Encontro de História da Anpuh-Rio. História e Parcerias passim
Rodrigues (2018), “O amor conjugal, filial e fraternal segundo D. Duarte”, Casamentos da Família Real Portuguesa. Éxitos e fracassos 2:13-49
Shibata (2018), “O surgimento da literatura humanista na Península Ibérica: traduções e apropriações da cultura clássica”, Revista de História e Estudos Culturais 13
Soares (2018), “Humanistas portugueses e espanhóis e suas relações com a monarquia”, Mostras de Sentido no Fluir do Tempo: Estudos de Humanismo e Renascimento 261-62
Soares (2018), “Plutarco no Humanismo renacentista em Portugal”, Mostras do Sentido de Fluir do Tempo: Estudos de Humanismo e Renascimento 186
Almeida (2017), “Perspetiva sobre a história das emoções. O casamento de D. Leonor de Portugal com o imperador Frederico III (1452)”, Casamentos da Família Real Portuguesa. Diplomacia e cerimonial 1:273-75
Alves et al. (2017), A Bíblia em Portugal. Volume II: A Bíblia na Idade Média 286, 352
Braga et al. (2017), Primeiros textos de ética social e política. Leal conselheiro, D. Duarte; Breve doutrina e ensinança de príncipes, António de Beja; Diálogo de preconceitos morais com prática deles em modo de jogo, João de Barros 11-28, 43-324
Coelho (2017), “A questão da autoria na literatura dos Príncipes de Avis”, Omni Tempore: Encontros de Primavera 2016 2:84-87
Sá (2017), “Momentos de viragem: a fundação da Misericórdia de Lisboa e o seu primeiro Compromisso impresso de 1516”, Um Compromisso para o futuro: 500 anos da I.a edição impressa do Compromisso da Confraria da Misericórdia 139
Sá (2017), “Pivotal moments: the Foundation of the Misericórdia de Lisboa and its First Compromisso Printed in 1516”, A "Compromisso" for the Future. 500th anniversary of the first printed edition of the Compromisso of the Confraternity of the Misericórdia 139
Silva (2017), “Filipa de Lancáster en Portugal (1387-1415): ¿las raíces de una nueva religiosidad?”, Edad Media. Revista de Historia 18:106
Teodoro (2017), “La place des opuscules pastoraux au Portugal du XVe siècle. L'exemple cistercien de l'Explication des Dix commandements de la loi de Dieu”, Bulletin du centre d”études médiévales d'Auxerre 21:1:1-2
Trevisan (2017), “Relações adélficas na realeza portuguesa do século XV: os Infantes de Avis entre a hierarquia fraternal e a obediência régia”, Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women's World Congress (Anais Eletrônicos) 4, 6
Vecchi et al. (2017), La letteratura portoghese. I testi e le idee 40
Beceiro Pita (2016), “Poder regio y mecenazgo en el Occidente peninsular: las reinas e infantas de las dinastías Trastamara y Avís”, Anuario de Estudios Medievales 46:345
Ferro (2016), “A livraria de D. Duarte (1433-1438) e seus livros em linguagem”, História e Cultura: Dossiê Os primeiros passos dos escritos em línguas vernáculas na Idade Média 5:138-40
Gaspar et al. (2016), “A estrutura atributiva e os tipos de posse no Leal Conselheiro de D. Duarte: um estudo de sintaxe histórica”, Limite. Revista de Estudios Portugueses y de la Lusofonía 10:1:13-39
Guimarães (2016), “O corpo do rei: capítulos sobre saúde e doença em D. Duarte (1433-1438)”, Locus, Revista de História 169-85
Larcher (2016), “Em torno da Ordem de Cristo e da conquista de Ceuta”, Ceuta e a Expansão Portuguesa. Actas XIV Simpósio de História Marítima, 10 a 12 de Novembro de 2015 454
Reis (2016), “Sepculum principum: considerações sobre o gênero nas letras portuguesas dos séculos XV e XVI”, Signum. Revista da ABREM 17:235-49
Rosa (2016), “King Duarte's guidelines for the sermon at the funeral of king João I: An exemplary king, not a royal saint”, Models of Virtues. The Roles of Virtues in Sermons and Hagiography for new Saints' Cult (13th to 15th Century). International Meeting, Porto 22-23 March 2013 177
Shibata (2016), “Cultura clássica e literatura vernacular no século XV em Castela e Portugal”, História e Cultura: Dossiê Os primeiros passos dos escritos em línguas vernáculas na Idade Média 5:1:121
Trevisan (2016), “A guarda da esposa e a obediência ao marido: a reciprocidade dos deveres conjugais masculinos e femininos nos tratados do rei D. Duarte e de Christine de Pisan (séc. XV)”, Revista Diálogos Mediterrânicos 11:194-214
Avelar (2015-10-22), “Vícios e virtudes na teoria e na prática astrológica medieval: exemplos portugueses da dinastia de Avis (século XV)”, e-Spania
Avenoza (2015), “Los estudios bíblcos en la Península en romance antes de la Biblia polígata Complutense: otra aproximación a la exégesis”, La Biblia polígata Complutense y su contexto 77
Dias (2015), ““Não se governam, nem se deixam governar”: Perenidade da expressão da relação dos Portugueses com os seus líderes (auto e hetero-imagem, no período medieval e na atualidade)”, Limite. Revista de Estudios Portugueses y de la Lusofonía 9:384
Díaz Marcilla (2015), “Los frutos del proyecto artístico luliano en Portugal medieval”, Mediaevalia 34:37-51
Díaz Marcilla (2015), “Juego de tronos: las Infantas de Lancaster y Aragón y su encaje político y cultural en la Península Ibérica entre los siglos XIV y XV”, Reginae Iberiae. El poder regio femenino en los reinos medievales peninsulares 228, 232
Henriques (2015), “Em que língua pensas? A entrada da língua portuguesa na filosofia”, Revista Filosófica de Coimbra 413 (n. 14), 418 (n. 33), 420, 422, 424-26, 434-44, 446, 449-50, 452-53, 457-58
Leal (2015), “As mulheres na vida religiosa portuguesa: fontes, itinerários e problemáticas”, 14
Moisão (2015), “Médicos e cirurgiões no Portugal medievo”, Medicina na Beira interior, da Pre-História ao Século XXI
Perkins (2015), “Service, not Subservience: Chapter 98 of Dom Duarte's Leal Conselheiro”, Portuguese Studies. In Medieval Mode: Collected Essays in Honour of Stephen Parkinson on his Retirement 31:2:209-21
Reis (2015), “No Leal Conselheiro de D. Duarte: conselhos sobre a maneira de ‘tirar em linguagem' texos latinos em língua vulgar portuguesa quatrocentista”, Aletria: Revista de Estudos de Literatura 25:3:225-42
Toste (2015), “Unicuique suum. The Restitution of Some Mirrors of Princes Circulating in Late Medieval Portugal”, Franciscan Studies 73:19-26, 52, 54
Azevedo (2014), “O sagrado e o poder régio: o Mosteiro da Batalha enquanto panteão dinástico de Avis”, História, Política e Poder na Idade Média. I Seminário Internacional de História Medieval. III Encontro da ABREM Centro-Oeste. Anais 308
Barreira (2014), “O Mosteiro de Sta. Maria da Vitória e a vocação moralizante das gárgulas do Panteão Duartino”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade
Beceiro Pita (2014), “La visión de la realeza: Juan II de Castilla y los Avís contemporáneos”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 94
Carneiro (2014), “Melancolia e prudência no Leal Conselheiro (c. 1438), de D. Duarte de Portugal (1391-1438)”, Anamorfose Revista de Estudos Modernos 2:1:[s.p.]
Carvalho (2014), “D. Duarte e a astrologia na Corte de Avis”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade passim
Dionísio (2014), “Ombros de gigantes, horizontes renovados: A fase 1 de uma edição electrónica do Leal Conselheiro”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 21-32
Ferreira (2014), “Observações sobre o regimento da capela de D. Duarte”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade
Gomes (2014), “D. Duarte e o clero regular português do seu tempo”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 119-20, 133
Lemos (2014), “O Livro de Horas de D. Duarte. Estado da arte, percurso e caracterização de um manuscrito”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 213
Peixeiro (2014), “Um retrato de D. Duarte na Crónica Geral de Espanha?”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade
Pina (2014), “O bons clérigos e a vida apostólica: os cónegos de Vilar de Frades e a reforma da Igreja no pensamento de D. Duarte”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 167-68
Rosa (2014), “D. Duarte e as almas dos defuntos. Bens espirituais, caridade e misericórdia na reconfiguração do poder régio”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espiritualidade 129, 133
McCleery (2014), “Wine, Women and Song? Diet and Regimen for Royal Well-Being (King Duarte of Portugal, 1433-1438)”, Mental (Dis)order in Later Medieval Europe 177-96
Rodrigues (2014), “‘Polla raynha Dona Lionor mjnha molher que sobre todas amo e preço'. D. Duarte e D. Leonor de Aragão: uma parceria aquém e além-túmulo”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 74
Silva (2014), “A construção coeva da imagem de Filipa de Lencastre como uma "santa rainha"”, Representações do Mito na História e na Literatura passim
Silva (2014), “O regimento do corpo em Portugal no século XV”, 19-21, 30-31, 34-35, 48, 59, 64-65, 87, 92, 102-03, 107, 113, 116, 125-27, 136-40, 143, 147, 156-58, 160
Teodoro (2014), “Do varão casado a um reino virtuoso (Portugal - sécs. XIV-XVI)”, 18 e passim
Ventura (2014), “D. Duarte: vivência religiosa e ‘Ofício de Reinar'”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade
Berlin (2013), “The willing reader of Duarte's Leal conselheiro”, Journal of Medieval Iberian Studies 1-16
Sousa (2013), “O rei, os poderes e a literatura: virtudes e pecados na prosa civilizadora de D. Duarte e D. Pedro (Portugal --sécs. XIV e XV)”,
Almeida (2013), “Como se constitui o saber astrológico nas Cortes ibéricas”, Anais do XXVII Simpósio da ANPUH
Osório et al. (2013), “Os verbos ser, estar, ter e haver no Leal Conselheiro de D. Duarte: Achegas para um quadro linguístico do século XV”, Studia Romanica Posnaniensia 40:115-34
Rico (2013-14), “Theory and practice of medieval translation: Translation Studies and Comparatism in the approach of the cultural semiotic universe”, Dedalus 547 e passim
Trevisan (2013-09-16), “Ser rei, ser pai: a exemplaridade de D. João I na criação dos infantes da Ínclita Geração (Portugal - século XV)”, Fazendo Gênero 10. Desafios Atuais do Feminismo. Anais Electrónicos 12 pp.
Ventura (2013), “Espelhos de espelhos. D. Duarte na companhia de Afonso de Cartagena entre a cultura, a moral e a política”, Revista História 18:37-51
Bastos (2013), “A realeza e a saúde pública em Portugal (século XIV-XVI)”, Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica [Revista electrónica] 5/1:40, 42, 46
Carvalho (2013), “Uma modernidade perdida. Da melancolia à alegria racional na antropologia do homem superior, segundo D. Duarte”, Revista Filosófica de Coimbra
Lima (2013), “O ofício do rei em Portugal: A função dos reis de Avis e suas relações com o ‘Stado Ecclesiastico'”, Relações de Poder: Da Antiguidade ao Medievo. Alumni: História Antiga e Medieval, Vol. 1 553-62
Trevisan (2013), “Narrar uma "história de família" no século XV: a memória da primeira geração de Avis por D. Duarte e os cronistas avisinos”, Atas do X Encontro Internacional de Estudos Medievais - Diálogos ibero-americanos [ABREM. Brasília, 2013] 209-10
Díaz Marcilla (2012), “Estudio sobre la bibliografia del lulismo de Portugal en los siglos XIV y XV”, Studia Lulliana 52:93-95, 99
Silva (2012), “O Príncipe Perfeito e a Saúde do Reino (Portugal século XV)”, 34-35, 189
Sousa (2012), “A justiça segundo os príncipes: concepções poíticas na realeza medieval portuguesa na primeira metade do século XV”, Atas da IX Semana de Estudos Medievais 554-62
Teodoro (2012), A escrita do passado entre monges e leigos. Portugal - séculos XIV e XV 63-64, 70-73, 103
Dionísio (2011), “Uma edição digital do Leal Conselheiro de D. Duarte”, Cadernos de Literatura Medieval - CLP. A Prosa Didáctica Medieval 85-94
Barreira (2011), A relação entre gárgulas e textos no contexto tardo-medieval em Portugal: preocupações em torno do comportamento do corpo e os pecados 13:111, 116
Gaspar (2011), “Traços sintáctico-semânticos dos verbos SER, ESTAR, HAVER e TER no Leal Conselheiro de D. Duarte”,
Rico (2011), “O modelo da tradução portuguesa do Estabelecimento dos Mosteiros (Lisboa, B.N., Alc. 384)”, Euphrosyne. Nova série 39:292-93
Santos (2011), “Paixões da alma, melancolia e medicina (séculos XIII-XV)”, A Idade Média Portuguesa e o Brasil: reminiscências, transformações, ressignficações 107-19
Ventura (2011), “Agoiros, feitiços e outras maravilhas: crença e crítica no Portugal quatrocentista”, A Idade Média Portuguesa e o Brasil: reminiscências, transformações, ressignficações 95, 98 e 104-06
González Rolán (2011), “Proyección política y pedagógica del prólogo a la Rethórica de Cicerón dedicado por Alfonso de Cartagena al infante D. Duarte”, Homo eloquens homo politicus. A retórica e a construção da cidade na Idade Média e no Renascimento 73-77
Sierra (2011), “Voice and Meaning: Writing Authority in Late Medieval England and Iberia”, 6-10, 86
Silva (2011), “Lembrar para esquecer: a memória da dor no luto e na consolação”, Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 14:4:715-16
Amado (2010), “Vontade, bem e tentação na escrita de D. Duarte”, Actas del XIII Congreso Internacional Asociación Hispánica de Literatura Medieval 1:343-51
Accorsi Jr. (2010), “La prosa de la corte real portuguesa en el siglo XV”, Polígramas 33:99-109
Gomes (2010), “As políticas culturais de tradução na corte portuguesa no século XV”, Cahiers d'Études Hispaniques Médiévales 33:173-81
Machado et al. (2010), “Revendo o cânone hegemônico da história das teorias de tradução: o pioneirismo de D. Duarte, rei de Portugal”, Cadernos de Tradução 1:25:9-28
Nascimento (2010), “Dizer a Bíblia em português: fragmentos de uma história incompleta”, A Bíblia e suas edições em Língua Portuguesa 36, 42
Serra (2010), “Las actividades corporales en Portugal durante los siglos XIV y XV. Análisis de las obras de Don João I y Don Duarte”,
Santana (2010), “A noção de bem comum e a legitimação do poder (Portugal - século XV)”, O Portugal medieval: monarquia e sociedade 143-51
Santana (2010), “O Pensamento Político dos Reis - Análise das concepções políticas veiculadas por D. Duarte e D. Pedro (Portugal - século XV)”, passim
Sousa (2010), “Pauvres, charité et assistance au Portugal (XIVe-XVe siècle”, Minorités et régulations sociales en Méditerranée médiévale 99
Blackmore (2009), “Melancholy, Passionate Love, and the Coita d'Amor”, PMLA 124:643
Ferreira (2009), “O ver e o passar o tempo na obra de D. Duarte”, Revista Seropédica 31:2:97-114
McCleery (2009), “Both ‘illness and temptation of the enemy': melancholy, the medieval patient and the writings of King Duarte of Portugal (r. 1433-38)”, Journal of Medieval Iberian Studies 1:163-78
Machado (2009), “Acedia's Avatars in the Medieval World: Medical, Religious and Literary Perspectives (The Portuguese Case)”, Uneasy Humanity: Perpetual Wrestling with Evil 25-40
Rebelo (2009), “Os números da guerra e o pragmatismo do tópico dos Macabeos nos Príncipes de Avis”, A Guerra e a Sociedade na Idade Média. Actas das VI Jornadas Luso-Espanholas de Estudos Medievais 1:119-30
Silva (2009), “Práticas de Leitura e Ensinamentos Morais na Corte de Avis”,
Carvalho (2008), “Monarquia Avisina e regulação da violência em Portugal”, Atas da VII Semana de Estudos Medievais 83-88
Carvalho (2008), “O Estado Português Avisino e a Regulação da Violência em Princípios do Século XV”, Anais do XIII Encontro de História
Dionísio (2007-12-07), Iberia in a Multi-Speed Europe: The Rex Literatus Model and a New Literary Canon in the Fifteenth Century
Dionísio et al. (2007), “Il Viridarium Principum di Andrea de Pace in Portogallo”, I Francescani e la Politica 351-64
França (2007), “A história portuguesa medieval: preservação, ordenação e esquecimento”, Varia Historia 23:38:494-95
Seruya et al. (2007), “Notes for a cartography of literary tanslation in Portugal”, Doubts and Directions in Translation Studies 68-69
Silva (2007), “Do príncipe triste ao rei médico de almas”, Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 10:696-706
Nascimento (2006), “Cícero em Portugal: momentos de humanismo cívico”, Atti del XII Colloquium Tullianum 110
Pinho (2006), “Os príncipes de Avis e o pré-humanismo português”, Humanismo em Portugal 1:19-22
Sousa (2006), “D. Leonor, ‘a triste rainha'”, Estudos em homenagem ao Professor Doutor José Marques 2:359-73
Guimarães (2005), “A ensinança de evitar o pecado na prosa de D. João I e D. Duarte”, Revista da História da UPIS 1:25-41
Carvalho (2004), “Os Fundamentos Poéticos do Documento. A Prop\sito de uma Página Exemplar do Leal Conselheiro”, Estudos em Homenagem a Luís António de Oliveira Ramos 1:379-94
Nascimento (2004), “Nova idade, nova linguagem: entre afecto e alto desempenho de funções, a palavra no século XV português”, Humanismo para o nosso tempo - Homenagem a Luís de Sousa Rebelo 40, 43, 44 (n. 37), 47
Ventura (2004), “A ‘guerra justa': tradição, doutrina e prática nos inícios da modernidade. O caso português”, Homo Viator: Estudos em Homenagem a Fernando Cristóvão 582-84
Fernández Sánchez et al. (2003), “Algunas reflexiones acerca del relato canónico de la historia de la traducción y algunas incidencias en el ámbito peninsular”, Actas del I Congreso Internacional de la Asociación Ibérica de Estudios de Traducción e Interpretación 1:[Internet] 9-11
Videira (2003), “As ideais políticas do rei D. Duarte: algumas considerações”, Estudos em homenagem ao Prof. Doutor Raúl Ventura
Rebelo (2001), “Martyrium et Gesta Infantis Domini Fernandi. Edição crítica. Tradução. Estudo Filológico”,
Pontes (2000-01), “Augustismo em Portugal”, Dicionário de História Religiosa de Portugal 1:162
Nascimento (1999), “Os textos clássicos em período medieval: tradução como alargamento de comunidade cultural”, Raízes greco-latinas da cultura portuguesa - Actas do I Congresso da APEC 70
Fernández Sánchez et al. (1998), “Primeras reflexiones teóricas sobre la traducción en Portugal: El Leal Conselheiro de don Duarte”, Actas de las II Jornadas Internacionales de Traducción e Interpretación de la Universidad de Málaga
Pacheco (1995-96), “Intelecto prático e vontade em D. Duarte, rei de Portugal”, Revista da Faculdade de Letras: Série de Filosofia. 2a Série 12-13:33-42
Pacheco (1995), “O sentido da Paz na tradição, e no testemunho da Geração de Avis”, Mediaevalia. Textos e Estudos 7-8:510-11, 513
Silva (1988), “D. Filipa de Lencastre: Representações de uma rainha”, Actas do Colóquio Comemorativo do VI Centenário do Tratado de Windsor 297-313
Dias (1985), “D. Duarte e a Depressão”, Revista Portuguesa de Psicanálise 1:69-88
Carvalho (1982), “Cultura filosófica e científica -período medieval”, Obra completa 2:1:247, 283, 297-99, 301
Carvalho (1981), “Evolução da historiografia filosófica em Portugal até fins do século XIX”, Obra completa 1:2:121-53
Sampaio et al. (1980), “D. Duarte or the Depression on the Throne”, Acta Psiquiátrica Portuguesa 26:203-10
Carvalho (1979), “Desenvolvimento da filosofia em Portugal durante a Idade Média”, Obra completa 1:1:344, 349-50, 352
Pina (1954), “El-Rei D. Duarte e o seu Leal Conselheiro na História da Melancolia”, Boletim Bibliográfico e Informativo da Ordem dos Médicos 3:369-76
Brochado (1946), “O problema da guerra justa em Portugal”, Rumo: Revista de Cultura Portuguesa 1:44-45
Carvalho (1932), História da lepra em Portugal 13-14
Dantas (1930), “A neurastenia do rei D. Duarte”, Archivo de Medicina Legal 3:8-13
Dantas (1916), “A neurastenia do rei D. Duarte”, Outros Tempos 7-24
Dantas (1916), “A hereditariedade nas genealogias reais portuguesas e o pai de D. Sebastião”, Outros Tempos 75-76
Buescu (2007), “Livros e livrarias de reis e de príncipes entre os século XV e XVI. Algumas notas”, eHumanista [revista virtual] 8:147
Ventura (2007), “Deambular com D. Duarte pelas casas do nosso coração”, Clio. Nova Série 16/17:305-13
Homem et al. (2007), “Rey y ‘Totalidad Nacional' en la obra de Don Duarte: en torno a los conceptos de prudencia y consejo”, Hispania: Revista Española de Historia 67:929-44
Nascimento (2006), “Manuscritos e textos dos Príncipes de Avis: o Leal Conselheiro e outros manuscritos: problemas de deriva filológica e tentativa de reintegração”, Medieval and Renaissance Spain and Portugal. Studies in Honor of Arthur L-F. Askins 269-88
Bastos (2005), “Poder e Doença: epidemias em tempos de centralização (Portugal - sécs. XIV/XVI)”, Relações de Poder, Educação e Cultura na Antigüidade e Idade Média
Dionísio (2005), “Tables of Contents in Portuguese late medieval manuscripts”, Variants 4. (The Book as Artifact. Text and Border) 4:89-109
Dionísio (2005), “Deo Gracias”, Modelo. Actas do V Colóquio da Secção Portuguesa da Associação Hispânica de Literatura Medieval 153-65
Muniz (2005), “Ainda sobre as fontes de D. Duarte”, Anais do V Encontro Internacional de Estudos Medievais 160-66
Muniz (2005), “Leal conselheiro e Livro dos Conselhos de El-Rei Dom Duarte: Diálogos”, Actes del X Congrés Internacional de l'Associació Hispànica de Literatura Medieval
Muniz (2005), “‘O leal conselherio' e a tradição do espelho de prínicpes: considerações sobre o gênero”, Actas del IX Congreso Internacional de la Asociación Hispánica de Literatura Medieval 2:89-104
Pereira (2005), “Os conceitos IGUAL e DIFERENTE: uma análise etimológica”, Anais do V Encontro Internacional de Estudos Medievais 443-46
Silva (2005), “Devoção e tradução na versão portuguesa da De vita Christi de Ludolfo de Saxónia”, Actas del IX Congreso Internacional de la Asociacón Hispánica de Literatura Medieval 1:509-26
Dionísio (2004), “Do Memoriale Virtutum, de Alfonso de Cartagena, ao Leal Conselheiro de D. Duarte”, Caligrama: Revista de Estudos Românicos 9:261-80
Perkins (2004), “Of Horses and Humours”, A Primavera toda para ti. Homenagem a Helder Macedo. A Tribute to Helder Macedo 69-73
Fonseca (2003), “Política e cultura nas relações luso-castelhanas no século XV”, Península. Revista de Estudos Ibéricos 59
Galli (2003), “A educação do cavaleiro nas obras de Dom Duarte”, Anais do IV Encontro Internacional de Estudos Medievais 389-95
Muniz (2003), “Um espelho real: o Leal conselheiro na perspectiva dos ‘espelhos de prínicpes' medievais”, Anais do IV Encontro Internacional de Estudos Medievais
Muniz (2003), “O Leal Conselheiro de D. Duarte e a tradiçao dos Espelhos de Príncipes”,
Hörster et al. (2003-06), “A tradução para português na história da língua e da cultura. Elementos para uma síntese”, Revista Portuguesa de Filologia 25:677
Skonieczny (2002), “Dom Duarte e a virtude da prudência no Leal Conselheiro”,
Dionísio (2001), “Aqueles bichos: Dúvidas de Terminologia entomológica na primeira metade do séc. XV em Portugal”, Estudos de Tradução em Portugal 59-69
Marques (2001), “A presença das Confissões de Santo Agostinho na literatura e cultura portuguesa”, Actas do Congresso Internacional: As Confissões de Santo Agostinho 1600 anos depois: Presença e actualidade 295
Muniz (2001), “Os leais e prudentes conselhos de El-Rei D. Duarte”, A Literatura Doutrinária […] 245-305
Nascimento (2001), “A Vita Christi de Ludolfo de Saxónia, em português: percursos da tradução e seu presumível responsável”, Euphrosyne. Nova Série 29:133-37, 140-41
Sabio Pinilla (2001), “El concepto de 'provecho' en los prólogos de las traducciones peninsulares del cuatrocientos”, Literatura y Cristiandad… 676-77
Simões (2001), “Os textos didácticos da ‘Geração de Avis'”, História da Literatura Portuguesa. Vol. I […] 397-400
Dionísio (2001), “A recepção de D. Duarte no séc. XX”, Sobre o Tempo […] 361-75
Rebelo (2001), “La prosa di Corte”, Civiltà letteraria […] 219-21
Dionísio (2001-02), “Literatura franciscana no Leal Conselheiro, de D. Duarte”, Lusitania Sacra. 2.a série 13-14:491-515
Gavilanes Laso (2000), “La prosa profana, didáctica y doctrinal del siglo XV”, Historia de la literatura portuguesa 138-41
Moreno (2000), “Questions of Authority: The Emergence of the Medieval Author”,
Nascimento (2000), “A Igreja na história da cultura: percursos do livro em Portugal na Idade Média”, Igreja e Missão 154
Fernández Sánchez et al. (1999), “Tradición clásica y reflexiones sobre la traducción en la corte de Aviz”, Hieronymus Complutensis. El mundo de la traducción 8:61-72
Gama (1999), “A geração de Avis. I: D. Duarte”, História do Pensamento Filosófico Português […] 379-411
Santoya Mediavilla (1999), “La reflexión traductora en la Edad Media: hitos y clásicos del ámbito románico”, Traducir la Edad Media. La traducción de la literatura medieval románica 36
Teixeira (1999), “A filosofia jurídica”, História do Pensamento Filosófico Português […] 466-67
Calafate (1999), “Fundamentação ética das relações económicas”, História do Pensamento Filosófico Português […] 484-85
Ed. parcial em: Sousa (1999), Da Descoberta da Misericódia à Fundação das Misericórdias (1498-1525) 209-11 , n. Capítulo 43 ("Da Caridade"), reproduzido da edição de Morais Barbosa (1982)
Amado (1998), “Os Nobres e o poder de Deus”, Revista de História das Ideias 19:177-94
Barata (1998), Navegação, Comércio e Relações Políticas: os Portugueses no Mediterrâneo Ocidental (1385-1466) 444-47, 449
Briesemeister (1998), “Portugiesisch und Lateinisch. Humanismus und Sprachbewusstsein in Portugal im 15. und 16 Jahrhundert”, Lusitanica et Romanica. Festschrift für Dieter Woll 29-40
Buescu (1998), “Papel da tradução no desenvolvimento da identidade nacional”, Studia Lusitanica 1:192-93
Dionísio (1998), “Nota sobre a recepção de um tratado aristotélico no Leal Conselheiro, de D. Duarte”, Homenaxe a Ramón Lorenzo 1:177-83
Macedo (1998), “Fernão Lopes, a Sétima Idade e os príncipas de Avis”, Viagens do Olhar. Retrospecção, Visão e Profecia no Renascimento Português 164-71
Duarte (D.) et al. (1998), Leal Conselheiro
Nascimento (1998), “Traduzir, verbo medieval: As lições de Bruni Aretino e Alonso de Cartagena”, Actas. II Congreso Hispánico de Latín Medieval 1:152-53
Sabio Pinilla et al. (1998), O Discurso sobre a Tradução em Portugal. O Proveito, o ensino e a crítica. Antologia (c. 1429-1818) 163
Ventura (1998), “Heresias e Dissidências: Regalismo e anti-regalismo no século XV”, Lusitania Sacra. 2.a série 10:303-33
Amado (1997), “Os géneros e o trabalho textual”, O Género do Texto Medieval 1-28
Carvalho (1997), “Conspecto do Desenvolvimento da Filosofia em Portugal (Séculos XIII-XVI)”, Revista Española de Filosofía Medieval 4:150-53
Meireles (1997), “Consciência e vontade no Leal Conselheiro de D. Duarte”,
Mongelli (1997), “D. Dinis: nos desvãos da saudade”, XXVIII Congresso Brasilerio de Língua e Literatura 125-30
Nascimento (1997), “Traduzir, verbo de fronteira nos contornos da Idade Média”, O Género do Texto Medieval 113-38
Pinto (1997), “O Leal Conselheiro de D. Duarte: uma moral filosofia”,
Tavares (1997), “A visão sócio-política de D. Duarte no Leal Conselheiro e em sua legislação”,
Ventura (1997), Igreja e Poder no Século XV. Dinastia de Avis e Liberdades Eclesiásticas (1383-1450) 30-31, 38-44, 51-55, 122, 219, 325, 359, 388-89, 472, 561
Brandenberger (1996), “O Leal Conselheiro de Dom Duarte no contexto da literatura de casamento ibero-rom^anica”, Lusorama 29:54-66
Bechara (1996), “Um processo sinonímico em D. Duarte”, Atas do I Encontro Internacional de Estudos Medievais
Dionísio (1996), “D. Duarte mis-en-abîme. Sobre uma redundância no capítulo LRVIII do Leal Conselheiro”, Românica
Dionísio (1996), “Lembranças rebeldes, combates mnésicos e remédios vinícolas: sobre a arte do esquecimento no Leal Conselheiro, de D. Duarte”, Colóquio/Letras 142:147-58
Gama (1995), A Filosofia da Cultura Portuguesa no ‘Leal Conselheiro' de D. Duarte
Dionísio (1995), “Uma abelha no prólogo. Sobre um desejo formulado no início do Leal Conselheiro, de D. Duarte”, Revista da Biblioteca Nacional. Série 2
Cepeda (1995), Bibliografia da Prosa Medieval em Língua Portuguesa 104-11
Pacheco (1995), “Intellect pratique et volonte chez Duarte, roi du Portugal”, Medieval philosophy: Moral and political philosophies in the Middle Ages; proceedings of the Ninth International Congress of Medieval Philosophy 2:767-76
Simões (1995), “D. Duarte e a teoria da tradução em Portugal no séc. XV”, Del Tradurre, 2 19-27
Leal (1995), “Bibliographie des traités de savoir-vivre portugais”, Bibliographie des traités de savoir-vivre en Europe du moyen âge a' nos jours 2:201
Tavares (1995), “O papel da sociedade portuguesa no Leal Conselheiro”, Anais da II Semana de Estudos Medievais
Dionísio (1994), “O camelo dá que lembrar: sobre um apontamento no capítulo L do Leal Conselheiro o qual fez Dom Eduarte”, Românica
Dionísio (1994), “'Escrevo, logo lembro': a escritura mnemónica no Leal Conselheiro”, O Escritor
Grabowska (1994), “Form and Meaning in 'Leal Conselheiro': Sermon Theory and the Literary Text”, Torre de Papel 4:43-57
Silva (1994), “O conhecimento do paço medieval, através das reflexões de D. Duarte”, Revista de Ciências Históricas 9:155-63
Vilela (1994), Tradução e análise contrastiva: Teoria e aplicação 17-21, 24
Pinho (1993), “O triplo código do tradutor de latim: do Leal Conselheiro aos nossos dias”, Mathésis 2:37-46
Lorenzo (1993), “Leal Conselheiro”, Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa 383-84
Mendes Filho (1993), “Escritura e ascese no Leal conselheiro de El-Rei D. Duarte”,
Xavier et al. (1993), Corpus Informatizado do Galego-Português Medieval
Botelho (1991), “Actualidade de D. Duarte”, Revista Portuguesa de Filosofia
Botelho (1991), D. Duarte
Cerqueira (1991), “Dom Duarte e o sentido ontológico da saudade”, Revista Portuguesa de Filosofia
Dias (1991), “D. Duarte e a lição dos livros à luz do Leal Conselheiro”, Beira Alta
Caeiro (1991), “Dom Duarte à luz da Cultura Portuguesa”, Revista Portuguesa de Filosofia
Gama (1991), “Análise das paixões no Leal Conselheiro”, Revista Portuguesa de Filosofia
Pacheco (1991), “Para uma antropologia situada: O Leal Conselheiro de Dom Duarte”, Revista Portuguesa de Filosofia
Dionísio (1990), “Dom Duarte e a leitura”, Revista da Biblioteca Nacional. Série 2
Vilela (1989), “O conceito de TRADUÇÃO em De optimo genere interpretandi de São Jerónimo, Leal Conselheiro de D. Duarte e Sendbrief vom Dolmetschen de Martinho Lutero”, Actas do Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época 4:489-501
Ventura (1989), “A lealdade ao Homem: uma perspectiva antropológica para a Evangelização nos escritos de D. Duarte”, Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época. Actas 5:581-88
Saraiva (1988), O Crepúsculo da Idade Média em Portugal
Caeiro (1987), “A cultura portuguesa no último quartel do século XIV”, Aljubarrota 1385-1985 376-77
Quint (1986), “L'enseignement de la litterature portugaise du moyen-age: une experience pedagogique”, L'Enseignement et l'Expansion de la Litterature Portugaise en France. Actes du Colloque 77
Sousa (1985), “A sensibilidade da literatura portuguesa dos séculos XV e XVI às matemáticas (índices e problemas para um estudo de história cultural)”, Revista da Faculdade de Letras. Línguas e Literaturas. Segunda Série
Fernandes (1984), “Da doutrina à vivência: amor, amizade e casamento no Leal Conselheiro do rei D. Duarte”, Revista da Faculdade de Letras. Línguas e Literaturas. Segunda Série
Demerson (1983), “L'Amour dans 'O Leal Conselheiro' de Dom Duarte”, Arquivos do Centro Cultural Português
Martins (1983), “Pais e filhos no 'Leal Conselheiro'”, Estudos de Cultura Medieval [III]
Duarte (D.) et al. (1982), Leal Conselheiro. Actualização ortográfica
Gomes (1982), “D. Duarte, do 'sotil entender'”, Cultura Portuguesa
Botelho (1982), “O 'A.B.C' da Lealdade”, Cultura Portuguesa
Duarte (D.) (1981), “Leal Conselheiro”, Obras dos Príncipes de Avis
Bragança (1981), “O 'Leal Conselheiro' em Alcobaça”, Didaskalia
David-Peyre (1980), “Neurasthénie et croyance chez D. Duarte de Portugal”, Arquivos do Centro Cultural Português
Martins (1980), “O 'Leal Conselheiro'”, Alegorias, Símbolos e Exemplos Morais da Literatura Medieval Portuguesa
Martins (1979), “A amizade e o amor conjugal no 'Leal Conselheiro'”, Didaskalia
Martins (1979), A Bíblia na Literatura Medieval Portuguesa 65-69
Bourdon (1979), “Question de priorité autour de la découverte du manuscrit du 'Leal Conselheiro'”, Arquivos do Centro Cultural Português
Pontes (1978), “Miramar en sus relaciones con Portugal y el lulismo medieval portugués”, Estudios Lulianos
Fernandes (1977), “D. Duarte e a educação senhorial”, Vértice
Magueijo (1977), “Versão latina dum texto de D. Duarte”, Clássica
Salazar (1976), “El impacto humanístico de las misiones diplomáticas de Alonso de Cartagena en la Corte de Portugal entre medievo y renacimiento (1421-31)”, Medieval Hispanic Studies presented to Rita Hamilton 223-24
Lauand (1973), “O vocabulário do Leal Conselheiro através do Sistema de Conceitos de Hallig-Wartburg”,
Castro (1971), “A Bíblia no 'Leal Conselheiro'”, Didaskalia
Martins (1969), “O 'Pari' de Pascal e um sermão português do século XV”, Estudos de Cultura Medieval [I]
Nunes (1965), “Nótulas de História do Século XV Português”, Do Tempo e da História 1:57-59
Castelo-Branco (1963), “D. Duarte ensaísta?”, Actas do Congresso Histórico […]
Pina (1960), “A medicina portuense no século XV”, Studium Generale. Boletim do Centro de Estudos Humanísticos 7:407-08, 414-15
Comissão Executiva das Comemorações do Quinto Centenário da Morte do Infante D. Henrique et al. (1960-74), Monumenta Henricina 6:204 , n. nota 9
Umbelino (1956), “Conjunções e as locuções conjuncionais no Leal Conselheiro de D. Duarte”,
Ricard (1954), “Du roi D. Duarte de Portugal à Ciro Alegria: La 'oración del Justo Juez'”, Bulletin Hispanique
Roberts et al. (1954), “Dom Duarte and Robert Burton: Two Men of Melancholy”, Journal of the History of Medicine and Allied Sciences 9:21-37
Ricard (1953), “Quelques remarques sur le texte du Leal Conselheiro”, Bulletin des Études Portugaises et de l'Institut Français au Portugal
Botelho (1951), “Andar dereito. Considerações sobre a 'Cavalaria' segundo D. Duarte”, Revista Portuguesa de Filosofia 7:3:253-74
Botelho (1950), “D. Duarte e a fenomenologia da Saudade”, Cidade Nova. 2.a série 2:67-72
Cavalheiro (1949), “D. Duarte e a versatilidade historiográfica”, Ocidente 37:92-95
Nunes (1949), “Filologia e gramática: a propósito do livro de Herbert Palhano: A expressão léxico-gramatical do Leal Conselheiro”, Revista de Portugal, Série A: Língua Portuguesa
Palhano (1949), A expressão léxico-gramatical do "Leal conselheiro"
Ricard (1948), “Le Leal Conselheiro du roi D. Duarte de Portugal”, Revue du Moyen Age Latin
Amora (1948), “El-Rei Dom Duarte e o 'Leal Conselheiro'”, Boletins da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Amora (1947), “El-Rei Dom Duarte e o Leal Conselheiro”,
Russo (1942), “Morphology and Syntax of the 'Leal Conselheiro'”,
Roberts (1940), “Orthography, Phonology and Word Study of the 'Leal Conselheiro'”,
Azevedo (1937), “Contribuição para o estudo da psicologia de El-Rei D. Duarte”, Brotéria
Vasconcelos (1907), “Formas verbais arcaicas no Leal Conselheiro de el-rei D. Duarte”, Romanische Forschungen
Lemos (1899), História da Medicina em Portugal: doutrinas e instituições 1:96-102, 138-40
Faccon (2009-09-15/19), ‘Ex variis floribus recollectum': Livro do amante, Leal Conselhiero
Bettencourt (Date?), Lobo Antunes, the Psychiatrist
Monteiro (2010-09), “Da Música no ámbito da Corte na Dinastia de Avis”, Diálogo e Comunicação Intercultural. A Educação com as Artes 229-31
Morais (2010-11-11), O cantar de papo no Leal Conselheiro de D. Duarte (fl. 1433-1438)
Agostinho (2021-02-17), Emotion as Collective Identity: the Case of Portuguese Saudade 2
Note No Livro da Ensinança…, cf. Pt. 5, caps. 8 e 9, Pt. 2, cap. 11.
Subject Fundo Geral
Moralística - Doutrinária
Internet http://uwdc.library.wisc.edu/leal-conselheiro-electronic-edition
Number of Witnesses 3
ID no. of Witness 1 cnum 19657
City, library, collection & call number : Desconhecido - Perdido ?, (BITAGAP manid 3551)
Copied Desconhecido, 1438 ad quem
Title(s) Duarte, 11. Rei de Portugal, Leal Conselheiro, compilado/a 1437 - 1438 ?
ID no. of Witness 2 cnum 1118
City, library, collection & call number Paris: Bibliothèque nationale de France [Richelieu], Fonds Portugais, 5 (BITAGAP manid 1154)
Copied 1438 ca.
1433 - 1438
1451 depois de (Dionísio (2007))
1458-05-01 a quo (Ver "Notas" comentário de F.A. Moreira)
Location in witness ff. 3r-96r
Title(s) Duarte, 11. Rei de Portugal, Leal Conselheiro, compilado/a 1437 - 1438
Trautado que se chama leal consselheiro, 3r
Incipit & Explicits prólogo: [ 3r] MVyto prezada e amada Raynha Senhora
texto: [ 4v] Do ẽtendimẽto Nosso sego mjnha declaraçõ ha .vij. partes … [ 96r] … e mais o que sabe que p̃ uos he melhor.
References Braga et al. (2017), Primeiros textos de ética social e política. Leal conselheiro, D. Duarte; Breve doutrina e ensinança de príncipes, António de Beja; Diálogo de preconceitos morais com prática deles em modo de jogo, João de Barros 43-324
Dionísio et al. (2011), Leal Conselheiro Electronic Edition
Dionísio (2011), Leal Conselheiro: Introduction to the electronic edition
Dionísio (2005), “Tables of Contents in Portuguese late medieval manuscripts”, Variants 4. (The Book as Artifact. Text and Border) 4:100, 103-05
Penny (1975), “A Critical Edition of Chapters 1-46 of the 'Leal Conselheiro' by Duarte, King of Portugal”,
Comissão Executiva das Comemorações do Quinto Centenário da Morte do Infante D. Henrique et al. (1960-74), Monumenta Henricina 3:105-09 , n. 57
Comissão Executiva das Comemorações do Quinto Centenário da Morte do Infante D. Henrique et al. (1960-74), Monumenta Henricina 5:136-46 , n. 62
Almeida (1946), “Um glossário do ‘Leal Conselheiro' de D. Duarte. Contribuição para o Dicionário Arcaico Português”,
Pereira (1943), “Glossário do Leal Conselheiro até ao capítulo XXV”,
Piel (1942), Leal Conselheiro o qual fez Dom Eduarte. Edição crítica e anotada
Marques (1935-37), “Estudos de paleografia portuguesa”, Arquivo Histórico de Portugal 2:542-44 , n. 59
Nunes (1932), Florilégio da Literatura Portuguesa Arcaica 108-111
Burnam (1912-25), Palaeographia Iberica. Fac-Similés de manuscrits espagnols et portugais (IXe-XVe siècles) avec notices et transcriptions 3:221-24, Pl LIX , n. 59
Sousa (2o Visconde de Santarém) et al. (1875), Leal Conselheiro, o qual fez Dom Duarte
Sousa (2o Visconde de Santarém) et al. (1854), Leal Conselheiro, o qual fez Dom Duarte
Sousa (2o Visconde de Santarém) et al. (1843), Leal Conselheiro e Livro da Ensinança de bem cavalgar toda sela, escritos pelo Senhor D. Duarte I:1-329
Sousa (2o Visconde de Santarém) et al. (1842), Leal Conselheiro, o qual fez D. Duarte, … seguido do Livro da Ensinança de bem cavalgar toda sella
ID no. of Witness 3 cnum 22596
City, library, collection & call number Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, Azul 141 (BITAGAP manid 4021)
Copied 1851 - 1900
Location in witness ff. 1r-166v
Title(s) Duarte, 11. Rei de Portugal, Leal Conselheiro, compilado/a 1437 - 1438
Começasse o trautado que se cham leal consselheiro, 1r
Incipit & Explicits saudação: [ 1r] Muito prezada e amada Raynha Senhora
texto: [ 5r] o entendimẽto nosso segundo minha declaração ha vij. Partes [ 166v]
Record Status Created 1988-07-23
Updated 2021-04-14