Philobiblon (sm)(tm)

Back to Search     Back to Results


Work ID number BITAGAP texid 1082
Authors Desconhecido
Titles Orto do Esposo
Horto do Esposo
Date / Place escrito/a 1390 ca. - 1417 ca.
Text Type: Prosa
Associated Texts Citado/a em: texid 5942 Desconhecido, Inventário da Livraria de D. Duarte, escrito/a 1433 - 1438
texid 19577 Desconhecido, Texto bíblico não identificalo, escrito/a 1501 antes de
Associated MSS/editions manid 4284 MS: Lisboa: Torre do Tombo, Azeitão (Mosteiro de Nossa Senhora da Piedade de), Liv. 18. Desconhecido, Inventário dos bens do Mosteiro de Nossa Senhora da Piedade de Azeitão (tr. Gonçalo Mendes…), escrito/a 1441-12 a quo., 23v
References (most recent first) Brandão (2020), “Alexandre: lugares comuns, personagem incomum”, Classica. Revista Brasileira de Estudos Clássicos 98, nota 12
Gonçalves (2020), “De diis gentium: o tratamento da mitologia grega na literatura portuguesa entre a Idade Média e o Renascimento”, Nuntius Antiquus 62-66, 78
Leandro (2020), “A iniciação dos nobres nos valores da corte (Portugal/século XV)”, 67, 95-96, 124
Negri (2020), “Rielaborazioni agiografiche alfonsine: il caso della 'cantiga de Santa Maria' 369”, Carte Romanze 105-09
Teodoro (2020), “Prédicas em torno da conquista e manutenção de Ceuta”, Horizonte 387-88
Franco et al. (2019), Horto do Esposo (A)
Teodoro (2019), “Vocábulos para ordenar o espírito (Portugal - seculo XV)”, História Unisinos 40, 43-45
Moreira (2018), “Representações da Pérsia na Idade Média portuguesa e peninsular”, Portugal no Golfo Pérsico: 500 anos 28-29
Nascimento (2018), “A experiência do livro na primitiva comunidade alcobacense”, O scriptorium de Alcobaça: o longo percurso do livro manuscrito português 185
Nascimento (2018), “O scriptorium de Alcobaça: identidade e caracterização funcional”, O Scriptorium de Alcobaça: o longo percurso do livro manuscrito português 152
Oliveira (2018), Mulher e demônio: misoginia nas narrativas exemplares medievais do Orto do Esposo
Taylor (2017), “A tradução no Orto do Esposo”, En Doiro antr'o Porto e Gaia. Estudos de Literatura Medieval Ibérica
Ayres Júnior (2017), “As visões no Orto do Esposo: construção e interpretação”,
Teodoro (2017), “Instruções religiosas para o bem falar (Portugal/Castela - séculos XIV e XV)”, Tempo 23, n. 1:133-35
Modena (2016), “Horto do Esposo. Edizione critica elettronica”,
Modena (2016), Horto do Esposo. Edizione Critica Elettronica
Domingues et al. (2016), “Um fragmento em português do Ordo iudiciarius de Tancredo”, GLOSSAE. European Journal of Legal History 13:228
Martins (2011-03-22), “O mar em hagiografias medievais de tradição portuguesa: uma leitura”, Academia de Marinha. Memórias 2011 12
Díaz Marcilla (2015), “Juego de tronos: las Infantas de Lancaster y Aragón y su encaje político y cultural en la Península Ibérica entre los siglos XIV y XV”, Reginae Iberiae. El poder regio femenino en los reinos medievales peninsulares 237-38
Henriques (2015), “O corpo como memória do pó da terra -- uma leitura a partir do Orto do Esposo”, digitAR - Revista Digital de Arqueologia, Arquitectura e Artes 2:161-67
Gala (2015), “Três Meditações sobre a Vida e a Morte: Orto do Esposo, Boosco Deleytoso e Corte Enperial”, Redenção e Escatologia: Estudos de Filosofia, Religião, Literatura e Arte na Cultura Portuguesa 1:1:371-73
Sobral (2015), Horto do Esposo (D-C-E)
Henriques (2015), “Em que língua pensas? A entrada da língua portuguesa na filosofia”, Revista Filosófica de Coimbra 412, 422, 425-26
Barreira (2014), “O Mosteiro de Sta. Maria da Vitória e a vocação moralizante das gárgulas do Panteão Duartino”, D. Duarte e a sua época: Arte, cultura, poder e espriritualidade 204-05
Elde (2014), “Studying word order differences in a historical parallel corpus: An example from Old Spanish and Old Portuguese”, Oslo Studies in Language 6:181-82
Esteves (2014), “Figuras heróicas no Horto do Esposo”, Diacrítica 28/3:171-80
González Rolán et al. (2014), “Aproximación a los exempla sobre Alejandro Magno en el texto trecentista portugués Horto do Esposo”, Manipulus studiorum: en recuerdo de la profesora Ana María Aldama Roy
Henriques (2014), “Os físicos e a medicina da alma no Orto do Esposo”, Medievalista online 15
Pereira (2014), “El Libro de Job y la cultura portuguesa de la Edad Media al Renacimiento: Traducción, Tradición y Transgresión”, El texto infinito. Tradición y reescritura en la Edad Media y el Renacimiento. passim
Silva (2014), “O regimento do corpo em Portugal no século XV”, 24, 32, 40, 51, 83, 110, 144
Briesemeister (2014), “Hagiografía latina y vernácula en la Peninsula Ibérica (1350-1500)”, Hagiographies. Histoire internationale […] 6:254-55
Teodoro (2014), “Do varão casado a um reino virtuoso (Portugal - sécs. XIV-XVI)”, 120 e passim
Henriques (2013), “A caminho de uma espiritualidade laica: ciência, filosofia e teologia no Orto do Esposo (tensões histórico-filosóficas e semânticas)”,
Pereira (2013), “Da fábula e dos seus arredores: a exemplaridade animal na literatura medieval portuguesa”, História Crítica da Fábula na Literatura Portuguesa Cap. 1 (pp. 29, 31-44)
Janeras (2012), “La ricezione di Isacco di Ninive nella Penisola Iberica”, Al-Gazali (1058-1111) - La prima stampa armena - Yehudah ha-Levi (1075-1141) - La ricezione di Isacco di Ninive. Secondo Dies Academicus 7-9 novemmbre 2011 251
Maleval (2012), “Do Vergel de consolação ao paraíso: atalhos de um percurso”, Atas da IX Semana de Estudos Medievais 1, 3, 5-7
Silva (2012), A Rainha Inglesa de Portugal - Filipa de Lencastre 173
Teodoro (2012), A escrita do passado entre monges e leigos. Portugal - séculos XIV e XV 45-46, 133
Güntzel (2011-07), A Igreja e a pregação através das coleções de exempla: divergências entre discurso e prática (Península Ibérica, séc. XIV e XV)
Madureira (2011), “A espiritualidade monástica num testemunho português do final da Idade Média: o Orto do Esposo”, Cadernos de Literatura Medieval - CLP. A Prosa Didáctica Medieval 71-84
Almeida (2011), “A Sinonímia no Português Arcaico: Considerações sobre as unidades léxicas Mulher Pública e Puta”, Anais do VIII Encontro Internacional de Estudos Medievais 1:135
Barreira (2011), A relação entre gárgulas e textos no contexto tardo-medieval em Portugal: preocupações em torno do comportamento do corpo e os pecados 13:111, 114, 118, 125-26, 128
Faria (2011), “O conto português para-popular em obras publicadas na Idade Média”, Literatura Culta e Popular em Portugal e no Brasil. Homenagem a Arnaldo Saraiva 315-16
Carvalho (2010), “Assim como no Horto do Esposo”, Cadernos do CNLF 14:4:Tomo 3, 2436-50
Coelho (2010), “Evidências de usos gramaticalizados e não gramaticalizados de diz que em Orto do Esposo”, Cadernos do CNLF 14:4:Tomo 3, 2697-704
Freitas (2010), “Nova datação de palavras sufixadas em -mento em textos galego-portugueses do século XIII”, Cadernos do CNLF 14:4:Tomo 3, 2890-900
Madureira (2010), “Cores sob suspeita: as duas faces da retórica no Orto do Esposo”, Cores. Actas do VII Colóquio da Secção Portuguesa da Associação Hispânica de Literatura Medieval 119-27
Maleval (2010), “O jardim místico do medievo”, Revista do Centro de Estudos Portugueses 30:13 e passim
Oliveira et al. (2010), “Onde diz no Orto do Esposo”, Cadernos do CNLF 14:4:Tomo 4, 3077-85
Rocha et al. (2010), “A argumentação em Orto do Esposo”, Cadernos do CNLF 14:4:Tomo 3, 2043-49
Rodrigues et al. (2010), “Homem com uso idefinido a partir de Orto do Esposo”, Cadernos do CNLF 14:4:Tomo 3, 2728-33
Ronchetti (2009), “Do jardim místico ao jardim profano. Para uma leitura dos jardins medievais portugueses”, Revista de História da Arte 265-66
Silva (2009), “Práticas de Leitura e Ensinamentos Morais na Corte de Avis”,
André (2009), “Pecados de Mulheres. A Cosmovisão Medieval: das Constituições Sinodais e Livros de Penitencias ao Horto do Esposo e Contos Populares e Lendas, Coligidos por José Leite de Vasconcellos”,
Güntzel (2009), “Depois da morte mas antes do Paraíso: as diferenças e semelhanças entre o discurso oficial da Igreja Católica e a crença expressa nos exempla em relação à purgação dos pecados no pósmorte na Península Ibérica dos séculos XIV e XV”,
Pimentel (2009), O monge, a irmã e o Orto do Esposo
Sobral (2008-09-19), Recensão: Nunes ed., (2008). Horto do Esposo
Cichelero (2008), “Maravilha e argumentação retórica no Orto do Esposo: análise das formas de convencimento em um livro de exemplos medieval”,
Coleman (2007), “Filipa de Lancaster, Rainha de Portugal -e mecenas das traduções de Gower?”, A Inglaterra e a Península Ibérica na Idade Média Séculos XII-XV: intercâmbios culturais, literários e políticos
Macedo (2007), “A ira em textos luso-castelhanos dos séculos XIV e XV”, Raízes Medievais do Brasil Moderno. Actas. 111-33
Alvarez (2005), “Fontes Hagiográficas do Orto do Esposo”,
Maleval (2004), “Representações diabolizadas da mulher em textos medievais”, As mulheres são o diabo
Berriel (2003), “A prosa moralística portuguesa: a narrativa na formação da identidade cristã (séculos XIV e XV)”, Anais do XXII Simpósio da ANPUH
Berriel (2002), “Indivíduo e Comunidade Cristã na Prosa Moralística Portuguesa (séculos XIV e XV)”,
Pontes (2000-01), “Augustismo em Portugal”, Dicionário de História Religiosa de Portugal 1:162
Baubeta et al. (1997), Igreja, pecado e sátira social na Idade Média Portuguesa 12, 27-29
Melo (1997), Imagens da Arte: Contributos para a historiografia da Arte em Portugal no século XV 87
Godinho (1995), “Portuguese Myths and Time”, Diogenes 43:69-91
Godinho (1995), “O feminino no Horto do Esposo”, Convergência Lusíada 12:97-102
Faria (1994), “O mal e a moral: o homem na Baixa Idade Média portuguesa”,
Horta (1991), “A imagem do Africano pelos portugueses antes dos contactos”, O Confronto do Olhar: O encontro dos povos na época das Navegações portuguesas, Séculos XV e XVI. Portugal, África, Ásia, América 46-48
Dias-Ferreira (1977), “Another Portuguese Analogue of Chaucer's Pardoner's Tale”, Chaucer Review 11:258-60
Bechara (1956), “Recensão: Maler (1949), Synonymes romans…”, Revista Brasileira de Filologia
Maler (1949), “Synonymes romans de l'interrogatif qualis”,
Sobral (2008-07), “Para uma nova edição crítica do Orto do Esposo: notas filológicas”, Auditório Virtual do Departamento de Literaturas Românicas - Estudos
Freire-Nunes et al. (2008), Horto do Esposo
Morais (2008), “A Exigência do Sentido: Modos da Exemplaridade no Exemplum Medieval”, Horto do Esposo Xiii-Lii
Pereira (2008), “Uma Didáctica da Salvação: o Exemplum no Horto do Esposo”, Horto do Esposo Liii-Lxxvi
Coleman (2007), “Philippa of Lancaster, Queen of Portugal and Patron of the Gower Translations?”, England and Iberia in the Middle Ages, 12th-15th Century. Cultural, Literary, and Political Exchanges 135-65
Pimentel (2007), “Hermenêutica bíblica e exemplaridade no Orto do esposo”,
Sobral (2007), “Hagiografia em Portugal: Balanço e Perspectivas”, Medievalista online 3
Deyermond (2006), “The Bestiary Tradition in the Orto do Esposo”, Medieval and Renaissance Spain and Portugal. Studies in Honor of Arthur L-F. Askins 92-103
Chambel (2006), “As Alegorias Animais do Corpo no Horto do Esposo”, O Corpo e o Gesto na Civilização Medieval. Actas do Encontro 329-37
Madureira (2005), “O Exemplum e a edificação romanesca: género e reescrita”, Românica 14:129-45
Maleval (2005), Ervas daninhas no Orto do Esposo 9:8
Pante (2005), “O artigo o e a sua variante el na lexia el-Rei em textos medievais portugueses em verso e em prosa”, Revista Philologus 33
Pereira (2005), “Uma liberdade constrangida: aspectos do funcionamento alegórico em dois textos medievais”, La metamorfosis de la alegoría. Discurso y sociedad en la Península Ibérica desde la edad media hasta la edad contemporánea 127-42
Ramos (2005), “‘Novas' medievais no ocidente ibérico”, La Circulation des nouvelles au Moyen Âge. Actes de la journnée d'études 120
Fernandes (2003), “Filosofia e contemplação no Orto do Esposo”, Anais do IV Encontro Internacional de Estudos Medievais 357-63
Madureira (2002), “Sangue redentor: o Orto do Esposo, a Queste del Saint Graal e a tradição exemplar medieval”, Matéria de Bretanha em Portugal 241-49
Santos (2002), “A mulher, o diabo e a luxúria nos exempla do Orto do Esposo”,
Fernandes (2001), “A pedagogia da alma no Orto do esposo”, A Literatura Doutrinária […] 51-105
Madureira (2001), “O discurso paradoxal no Orto do Esposo”, Figura. Actas do II Colóquio […] 281-91
Marques (2001), “A presença das Confissões de Santo Agostinho na literatura e cultura portuguesa”, Actas do Congresso Internacional: As Confissões de Santo Agostinho 1600 anos depois: Presença e actualidade 295
Sobral (2001), “O Orto do Esposo”, História da Literatura Portuguesa. Vol. I […] 411-20
Boni (2001), “Prosa agiografica e romanzo cavalleresco”, Civiltà letteraria […] 253-54
Esteves (2000), “A produção literária em Portugal no séc. XIV: poemas, crónicas, novelas”, Congreso Internacional de Historia y Cultura en la Frontera 1:45-46
Madureira (2000), “Auctoritates e autoridade do texto no Orto do Esposo”, Literatura e Pluralidade Cultural. Actas do III Congresso da Associação Portuguesa de Literatura Comparada 639-46
Pedrosa Bartolomé (2000), “Más reescrituras del cuento de El tesoro fatal (At 763): del Orto do esposo, Vicente Ferrer y Hans Sachs a Eça de Queiroz, William Faulkner y Max Aub”, Revista de Poética Medieval 5:27-43
Calafate (1999), “O Horto do Esposo”, História do Pensamento Filosófico Português […] 521-26
Madureira (1999), “Letra e sentido: a ‘retórica' divina no Orto do Esposo”, Actes del VII Congrés de l'Associació Hispànica de Literatura Medieval 2:375-83
Amado (1997), “Os géneros e o trabalho textual”, O Género do Texto Medieval 1-28
Baptista (1997), “O simbolismo do Paraíso no Orto do Esposo”,
Morais (1997), “Alguns aspectos da retórica do exemplo: lógica do modelo e hipóteses da ficção no exemplum medieval”, O Género do Texto Medieval 227-37
Pereira (1997), “Mudações da Fortuna: o exemplum medieval e a retórica da História”, O Género do Texto Medieval 239-48
Madureira (1997), “Género e significação segundo o Orto do Esposo”, O Género do Texto Medieval 249-55
Machado (1997), “A leitura hagiográfica no Orto do Esposo e a hermenêutica implícita na Legenda aurea”, O Género do Texto Medieval 257-69
Machado (1997), “O Orto do Esposo e as teorias interpretativas medievais”, Actas del VI Congreso Internacional […] 2:925-35
Mattoso (1996), “O imaginário do além-túmulo nos exempla peninsulares da Idade Média”, O Reino dos Mortos […]
Baptista (1996), “A Simbologia do Paraíso no Orto do Esposo”,
Candolo-Câmara (1996), “Hagiografia medieval portuguesa -Exemplum”, Atas do I Encontro Internacional de Estudos Medievais
Machado (1996), “A Legenda aurea nos exempla hagiográficos do Orto do Esposo”, Colóquio/Letras 142:121-36
Pereira (1996), “O Orto do Esposo e a construção da autoridade no Exemplum medieval”,
Díaz Ferrero et al. (1995), “Algunas consideraciones en torno a la mujer en el Orto do Esposo”, Medioevo y literatura […]
Cepeda (1995), Bibliografia da Prosa Medieval em Língua Portuguesa 126-29
Maleval (1995), “Mulheres 'exemplares' no Orto do Esposo”, Rastros de Eva […] 65-80
Mattoso (1995), “O imaginário do Alem-Túmulo nos exempla peninsulares da Idade Média”, Medioevo y literatura […] 1:131-46
Carreto (1993), “Da cidade do texto à cidade celestial: a encenação do escrito no Orto do Esposo”, A Cidade: Jornadas Inter e Pluridisciplinárias: Actas 1:383-407
Díaz Ferrero et al. (1993), “Horto do Esposo”, Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa 315-17
Menegaz (1993), “A escrita retórica do Horto do esposo”,
Sobral (1993), “A imagem da sabedoria na Lenda de Maria Egipcíaca”, Revista da Faculdade de Letras. Quinta Série 15:142
Torre (1993), “O recurso à citação no ‘Horto do Esposo'”,
Xavier et al. (1993), Corpus Informatizado do Galego-Português Medieval
Baubeta (1992), Anticlerical Satire in Medieval Portuguese Literature 3, 15-16
Cardoso (1992-94), “Figuração e máscaras do diabo nos 'Exempla' do Orto do Esposo”, Revista da Universidade de Aveiro / Letras
Martins (1988), “Deus e os jograis”, Brotéria
Esteves (1987), “Da imagem do Rei no Orto do Esposo: Contribuição para um estudo da personagem do Rei na Literatura da Idade Média.”,
Quint (1986), “L'enseignement de la litterature portugaise du moyen-age: une experience pedagogique”, L'Enseignement et l'Expansion de la Litterature Portugaise en France. Actes du Colloque 76
Williams (1983-85), “Chaucer's 'The Pardoner's Tale' and 'The Tale of the Four Thieves' from Portugal's Orto do Esposo Compared”, Bulletin des Études Portugaises et Brésiliennes
Martins (1980), “As alegorias e exemplos do 'Horto do Esposo'”, Alegorias, Símbolos e Exemplos Morais da Literatura Medieval Portuguesa 213-29
Martins (1979), A Bíblia na Literatura Medieval Portuguesa 30-35, 50-51
Rossi et al. (1979), A literatura novelística na Idade Média portuguesa 14-18, 44-46, 90-98
Martins (1977), A Sátira na Literatura Medieval Portuguesa (séculos XIII e XIV) 125-30
Martins (1975-76), “O mito de Édipo na Idade Média portuguesa”, Euphrosyne 7:80-84
Martins (1972), “'O Tesoiro' e 'Frei Genebro'”, Estudos de Cultura Medieval [II]
Martins (1969), “Experiência religiosa e analogia sensorial”, Estudos de Cultura Medieval [I]
Williams (1968), “Breve estudo do 'Orto do Esposo' com un índice analítico dos 'exemplos'”, Ocidente
Martins (1964), “Das doze abusões deste mundo”, Brotéria
Martins (1964), “Fábulas perdidas”, Brotéria
Martins (1964), “Destemporalização”, Revista Portuguesa de Filosofia
Rossi (1959), “Ancora del petrarchismo iberico”, Annali dell'Istituto Universitario Orientale di Napoli - Sezione romanza
Martins (1956), “A Filosofia do homem e da cultura no 'Horto do Esposo'”, Estudos de Literatura Medieval
Martins (1956), “A simbologia mística nos nossos 'bestiários'”, Estudos de Literatura Medieval
Martins (1951), “Os 'Bestiários' na nossa literatura medieval”, Brotéria
Martins (1950), “Um tratado medievo-português do Nome de Jesus”, Brotéria
Martins (1948), “À volta do 'Orto do Esposo'”, Brotéria
Note Para notícia, de ca. de 1441, de "huũ ljuro ffurtado que chamam horto do esposo todo escprito em purgamjnho per Joham affomso neto que ualja dous mjll Reaes", cf. Texid 12636 e Manid 4284, f. 23v.
Subject Fundo Geral
Moralística - Doutrinária
Ascética
Fábulas - Exempla
Number of Witnesses 5
ID no. of Witness 1 cnum 19211
City, library, collection & call number Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Caixa 21, n. 23A (BITAGAP manid 3397)
Copied 1391 - 1450
1426 - 1450 (Cepeda (2001))
Location in witness ff. 1r [125r] - 2v [126v]
Title(s) Desconhecido, Orto do Esposo, escrito/a 1390 ca. - 1417 ca. Fragmento: Livro IV, caps. 51-52
Incipit & Explicits texto: [ 1r] […] e desuyado da bondade de seu padre … [ 2v] … os gentijs e os philosophos […]
References Ed. electrónica em: Sobral (2015), Horto do Esposo (D-C-E)
Transcrito em: Askins et al. (2002), Fragmentos de Textos Medievais Portugueses da Torre do Tombo 30-35 , n. V
ID no. of Witness 2 cnum 1486
City, library, collection & call number Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, ALC. 198 (BITAGAP manid 1114)
Copied Alcobaça ?: Hermenegildo de Tancos ?, 1401 - 1450
Location in witness ff. 1r-155r
Title(s) Desconhecido, Orto do Esposo, escrito/a 1390 ca. - 1417 ca.
Incipit & Explicits introdução: [ 1r] AA hõrra e louuor de nosso senhor ihũ xp̃o
prólogo: [ 1r] Eu muy pecador e nõ digno de todo bẽ
texto: [ 2v] Ihũ xp̃o he ũtude e sabedorya de ds̃ padre … [ 155r] … e nõ a prazer de Jhũ xp̃o. Deo graçias.
References Franco et al. (2019), Horto do Esposo (A)
Meirinhos (2014), “Manuscritos e leituras de S. Bernardo em Portugal na Idade Média”, Cister: por entre história e imaginário. Livro do IX Encontro Cultural de São Cristovão de Lafões
Freire-Nunes et al. (2008), Horto do Esposo
Maler (1956-64), Orto do Esposo. Texto inédito do fim do século XIV ou comêço do XV. Edição crítica com introdução, anotações e glossário
Neto (1948), “Textos antigos portuguêses”, Boletim de Filologia 238-41
Nunes (1932), Florilégio da Literatura Portuguesa Arcaica 52-54
ID no. of Witness 3 cnum 1481
City, library, collection & call number Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, ALC. 212 (BITAGAP manid 1115)
Copied Alcobaça ?: 1481 - 1500
Location in witness ff. 81r-251v
Title(s) Desconhecido, Orto do Esposo, escrito/a 1390 ca. - 1417 ca.
AQuy sse começa ho liuro q̃ se chama orto do esposo, 80r
Incipit & Explicits introdução: [ 81r] AA honra e louũo do nosso ᵭs jħu xo
prólogo: [ 81r] Eu muy p̃cador e nõ digno de todo bem
texto: [ 82v] Ihesu xp̃o he Virtude e sabedorya de ds̃ padre … [ 251v] … põ q̃ vyuja a prazer delles e nom aprazer de jhũ xp̃o.
References Meirinhos (2014), “Manuscritos e leituras de S. Bernardo em Portugal na Idade Média”, Cister: por entre história e imaginário. Livro do IX Encontro Cultural de São Cristovão de Lafões
Freire-Nunes et al. (2008), Horto do Esposo
ID no. of Witness 4 cnum 19618
City, library, collection & call number Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Caixa 21, n. 26 (BITAGAP manid 3527)
Copied 1530 a quo - 1570 ad quem
Location in witness f. Reforço 1, 1r-v f. Reforço 2, 1r-v f. Reforço 3, 1r-v
Title(s) Desconhecido, Orto do Esposo, escrito/a 1390 ca. - 1417 ca. Fragmentos: Liv. IV, capítulos 35-36.
Incipit & Explicits texto I: [ 1r] […] mente dizendo. filho
texto II: [ 1r] [..c]onpre de ouuir o filho
texto III: [ 1r] […] sempre
References Ed. electrónica em: Sobral (2015), Horto do Esposo (D-C-E)
Transcrito em: Askins et al. (2002), Fragmentos de Textos Medievais Portugueses da Torre do Tombo 37-38 , n. VII
Note Na edição de Maler (1956), vol. 1: I (p. 223, ll. 35-38), II (p. 223, ll. 38-39 e p. 224, ll. 1-5) e III (p. 224, ll. 5-9).
ID no. of Witness 5 cnum 19616
City, library, collection & call number Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lorvão (Mosteiro de Santa Maria de), Livro 10 (f. 13r) (BITAGAP manid 3530)
Copied 1530 a quo - 1570 ad quem
Location in witness f. 13r
Title(s) Desconhecido, Orto do Esposo, escrito/a 1390 ca. - 1417 ca. Fragmentos: Livro IV, cap. 54
Incipit & Explicits texto II: [ 13r] […] deseia se as despender … [ 13r] … e discretos q̃ o [d..]
texto III: [ 13r] […] ha segundo diz sam jhero[nimo] … [ 13r] … pobre e mĩguado q̃ […]
References Ed. electrónica em: Sobral (2015), Horto do Esposo (D-C-E)
Esteves (2014), “Figuras heróicas no Horto do Esposo”, Diacrítica 28/3:172-73
Transcrito em: Askins et al. (2002), Fragmentos de Textos Medievais Portugueses da Torre do Tombo 36 , n. VI
Note [1] Para reforço da encadernação usaram-se quatro pequenas tiras, cortadas do mesmo MS que catalogámos com o Manid 3397 (Torre do Tombo, Fragmentos, Caixa 21, n. 23): três com texto e a quarta, em branco. Desapareceram, por enquanto, as tiras, mas a tinta do texto foi transferida para o recto do fólio 13 --lê-se agora com recurso a um espelho.

[2] O "texto II" encontra-se na edição de Maler na página 297, ll. 22-24 e o "texto III" na mesma página, ll. 2-3.

[3] O texto que aparecia no terceiro reforço é hoje ilegível.

[4] Textos descobertos por Harvey L. Sharrer: 1998-07-27.

[5] Os textos, na edição de Maler (1956), vol. 1: II(p. 297, ll. 21-24) e III(p. 297, ll. 2-3).
Subject Fragmentos - Manuscritos
Record Status Created 1988-07-22
Updated 2021-09-15